Você retirou suas Amidalas? Não temos boas notícias para você!

Apesar de ser uma cirurgia pediátrica comum, retirar as amidalas ou adenoides para tratar amigdalite crônica ou infecções recorrentes da orelha média pode aumentar riscos de doenças respiratórias, alérgicas e infecciosas. A conclusão foi de um estudo que examinou, pela primeira vez, os efeitos a longo prazo das operações.

Bademcik-Ameliyatindan-Sonra-Ne-Yenir-12

As adenoides e amidalas são posicionados estrategicamente no nariz e na garganta, respectivamente, para atuar como uma primeira linha de defesa, ajudando a reconhecer patógenos transportados pelo ar, como bactérias e vírus, e dando início à resposta imunológica para eliminá-los do corpo.

A pesquisa, liderada por cientistas das universidades de Melbourne, Copenhague e Yale, analisou um conjunto de dados da Dinamarca de 1.189.061 crianças nascidas entre 1979 e 1999. Até os 10 anos de idade, cerca de 60 mil crianças retiraram as amígdalas e as adenoides. Os voluntários foram observados até completarem 30 anos.

A análise mostrou que a retirada das amidalas foi associada a um risco quase triplicado para doenças do trato respiratório superior, incluindo asma, gripe, pneumonia e distúrbio pulmonar obstrutivo crónico ou DPOC, o termo abrangente para doenças como bronquite crónica e enfisema.

unnamed--11-

O risco absoluto (que leva em conta o quão comuns essas doenças são na comunidade) também foi substancialmente aumentado em 18,61%.

A retirada da adenoide está ligada a um risco duas vezes maior de DPOC, doenças do trato respiratório superior e conjuntivite. O risco absoluto também foi quase o dobro para as doenças do trato respiratório superior.

O estudo sugere que os benefícios a curto prazo dessas cirurgias podem não continuar até os 30 anos de idade, além do risco reduzido de amidalite e distúrbios do sono. Em vez disso, os riscos a longo prazo para a respiração anormal, sinusite e otite média foram significativamente maiores após a cirurgia.

Os pesquisadores observam que sempre haverá a necessidade de remover amidalas e adenoides quando essas condições forem severas. "Mas nossos resultados mostram riscos aumentados para doenças de longo prazo após a cirurgia e isso pode sustentar um possível adiamento da remoção da amidala e da adenoide, o que poderia ajudar no desenvolvimento normal do sistema imunológico na infância e reduzir esses possíveis riscos", conclui Sean Byars, um dos autores.

Evite essa cirurgia, quando possível, e salve o seu sistema imune!

Fonte: Viva Bem Uol



Compartilhar no Facebook