Você pode não ser intolerante a Glúten e SIM a Agrotóxico!

Um estudo publicado em 2013 aponta que os sintomas de doença celíaca e intolerância ao glúten são estranhamente similares aos apresentados por animais de laboratório expostos ao glifosato. A pesquisa foi conduzida pelo cientista independente Anthony Smasel e pela pesquisadora sênior do MIT, Stephanie Seneff.

Monsanto_RoundUp_weed_killer_on_store_shelf_via_Twitter_large

A análise aponta que cerca de 5% da população dos Estados Unidos e da Europa sofre de intolerância ao glúten ou doença celíaca. Para os pesquisadores, o culpado por trás desta epidemia pode ser o famoso agrotóxico RoundUp.

“Acreditamos que o glifosato, o ingrediente ativo do herbicida Roundup®, é o fator causal mais importante nessa epidemia. Os peixes expostos ao glifosato desenvolvem problemas digestivos que lembram a doença celíaca. A doença celíaca está associada a desequilíbrios nas bactérias intestinais que podem ser totalmente explicadas pelos efeitos conhecidos do glifosato nas bactérias intestinais”, detalha o resumo do artigo, publicado na revista Interdisciplinary Toxicology.

a7675c_ebaacde56579432d86a202ef90251411_mv2

Os pesquisadores alertam ainda que a quantidade de resíduos de glifosato no trigo e em outras culturas provavelmente tem aumentado recentemente, devido ao aumento do uso da prática de dessecação das culturas logo antes da colheita. Além disso, um gráfico que acompanha o estudo mostra a relação entre o uso do agrotóxico e o aumento de casos de doença celíaca.

glifosato-doenca-celiaca-1

Outros danos associados ao glifosato

A Monsanto, empresa de agrotóxicos comprada pela Bayer em 2018, é a produtora do Roundup, polêmico herbicida à base de glifosato. O produto já foi apontado como o principal causador de alguns casos de câncer, fazendo com que as empresas fossem condenadas a pagar indenizações no valor de US$ 2 bilhões a um casal de clientes.

Nos Estados Unidos, o Roundup é alvo de 11.200 ações por suposta responsabilidade na incidência de câncer e ao menos um destes casos já foi confirmado pela justiça.

Apesar de todas as evidências, o produto pode ser adquirido por qualquer pessoa no Brasil, onde é utilizado em 90% das plantações de soja.

Fonte: Hypeness



Compartilhar no Facebook