Teste rápido consegue prever quadros graves da covid-19 em estudo!

Um novo estudo realizado por cientistas da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, sugere que a medição do DNA mitocondrial no sangue de pacientes com Covid-19 pode ajudar a prever quem tem maior risco de desenvolver quadros graves da doença. A pesquisa se baseou na avaliação de quase 100 pacientes infectados pelo novo coronavírus e foi publicada no JCI Insight.

the-syringe-1291127_1280_JuN5Ne6_WmU248g

Um exame simples e rápido é capaz de medir os níveis de DNA mitocondrial no sangue. Isso é importante, segundo os especialistas, porque o DNA mitocondrial que sai das células e vai para a corrente sanguínea sinaliza que um tipo específico de morte celular violenta está ocorrendo no corpo.

“Os vírus podem causar um tipo de dano ao tecido chamado necrose, que é uma resposta inflamatória violenta à infecção”, diz Andrew Gelman, coautor do estudo, em declaração. “A célula se quebra, liberando o conteúdo, incluindo o DNA mitocondrial, que por si só leva à inflamação. Em pacientes com Covid-19, há evidências anedóticas desse tipo de dano celular e tecidual no pulmão, coração e rim. Por isso, achamos que, possivelmente, medidas de DNA mitocondrial no sangue possam ser um sinal precoce desse tipo de morte celular em órgãos vitais."

No estudo, os pesquisadores descobriram que os níveis de DNA mitocondrial eram muito mais elevados em pacientes que eventualmente foram admitidos na UTI, intubados ou morreram. Essa associação, por sinal, ocorreu independentemente da idade do paciente, sexo e condições de saúde subjacentes.

De acordo com os cientistas, os níveis de DNA mitocondrial eram cerca de 10 vezes maiores em pacientes infectados pelo Sars-CoV-2 que desenvolveram disfunção pulmonar grave ou eventualmente morreram. Aqueles com níveis elevados tinham quase 6 vezes maior probabilidade de serem intubados, três vezes maior propensão de serem admitidos na UTI e quase duas vezes maior risco de morrer, em comparação com aqueles com níveis mais baixos.

Além disso, o teste sanguíneo para detectar os níveis de DNA mitocondrial previu resultados tão bem ou melhor do que exames baseados em outros marcadores inflamação, atualmente medidos em pacientes hospitalizados com o novo coronavírus.

“Os médicos precisam de ferramentas melhores para avaliar o estado dos pacientes com Covid-19 o mais cedo possível porque muitos dos tratamentos são escassos e sabemos que alguns pacientes vão melhorar sem tratamentos intensivos”, explica Gelman.

DyingMitochondria

Os estudiosos acreditam que o teste pode servir como uma forma de prever a gravidade da doença, bem como uma ferramenta para melhor projetar ensaios clínicos e monitorar a eficácia de novas terapias. Ainda assim, a equipe ressalta que novos estudos são necessários para verificação e aprofundamento do que foi encontrado nessa pesquisa.

“Se pudéssemos determinar, nas primeiras 24 horas de admissão, se um paciente provavelmente precisará de diálise ou intubação ou medicação para evitar que sua pressão arterial caia muito, isso mudaria a forma como fazemos a triagem do paciente, e pode mudar a forma como os tratamos, começando muito mais cedo no curso da doença", afirma o coautor Hrishikesh Kulkarni.

Fonte: Revista Galileu



Compartilhar no Facebook