Ter Pressão Arterial DIFERENTE em cada Braço está associada a Doenças Cardíacas e aumento do Risco de Morte!

Medir a pressão arterial é uma ocorrência comum em consultórios médicos. A pressão arterial muito alta (hipertensão) pode aumentar o risco de problemas graves de saúde, e a pressão muito baixa (hipotensão) pode causar tonturas e desmaios.

Estudos anteriores mostraram que as leituras da pressão arterial podem variar dependendo de onde a medição é feita no corpo e podem até ser diferentes em cada braço. No entanto, novas descobertas publicadas na revista Hypertension sugerem que essa variação pode ter implicações importantes.

skynews-blood-pressure-test_5214588

O estudo foi conduzido pela Colaboração Inter-arm Blood Pressure Difference - Individual Participant Data (INTERPRESS-IPD) e conduzido pela Universidade de Exeter. Eles analisaram dados de 24 estudos onde a pressão arterial em ambos os braços foi medida. Os estudos foram conduzidos internacionalmente, com 14 da Europa Ocidental, 7 dos Estados Unidos, 2 do Leste Asiático e 1 da África Subsaariana. Os dados foram coletados de 53.827 participantes cujas mortes, ataques cardíacos e derrames foram rastreados ao longo de 10 anos.

As medições da pressão arterial são dadas como sistólica e diastólica - as medições máxima e mínima, respectivamente - em milímetros de mercúrio (mmHg). Ter pressão sistólica abaixo de 140 mmHg e pressão diastólica abaixo de 90 mmHg é considerado saudável.

Os resultados do estudo mostraram que ter uma diferença muito grande na pressão arterial sistólica entre os braços pode significar riscos à saúde.

Na verdade, pessoas com uma diferença de apenas 5 mmHg apresentaram taxas de mortalidade mais altas. Além disso, cada diferença de mmHg aumentava o risco de ataques cardíacos, derrames e nova angina em 1%. "Há muito tempo sabemos que a diferença na pressão arterial entre os dois braços está ligada a piores resultados de saúde. Os grandes números envolvidos no estudo INTERPRESS-IPD nos ajudam a entender isso com mais detalhes. Ele nos diz que quanto maior a diferença na pressão arterial entre os braços, maior o risco cardiovascular”, disse o autor principal, Dr. Chris Clark, em um comunicado.

Atualmente, uma diferença de pressão de 15 mmHg entre os braços é o limite para identificar pacientes com risco de complicações, mas este estudo indica que o limite deve ser diminuído. "Acreditamos que uma diferença de 10 mmHg agora pode ser razoavelmente considerada como um limite superior do normal para a pressão arterial sistólica intra-braço, quando ambos os braços são medidos em sequência durante as consultas clínicas de rotina. Esta informação deve ser incorporada em futuras diretrizes e prática clínica na avaliação do risco cardiovascular. Significaria que muito mais pessoas seriam consideradas para um tratamento que poderia reduzir o risco de ataque cardíaco, derrame e morte", diz o co-autor Professor Victor Aboyans, chefe do Departamento de Cardiologia do Hospital Universitário de Dupuytren, na França.

É aconselhável medir a pressão arterial em ambos os braços, mas esse conselho costuma ser ignorado!

O Dr. Clark elabora: “Embora as diretrizes internacionais atualmente recomendem que isso seja feito, isso só acontece cerca da metade das vezes, na melhor das hipóteses, geralmente devido a limitações de tempo. Nossa pesquisa mostra que o pouco tempo extra que leva para medir os dois braços pode, em última análise, salvar vidas".

Fonte: IFL Science



Compartilhar no Facebook