Suplementos de Magnésio podem ser uma alternativa aos Antidepressivos!

Um recente ensaio clínico realizado nos Estados Unidos descobriu que os suplementos de magnésio são eficazes no tratamento da depressão leve ou moderada.

Publicado no jornal PLoS One, os pesquisadores mostraram que a suplementação diária com magnésio leva a uma diminuição significativa nos sintomas de depressão e ansiedade, independentemente da idade, do gênero, da gravidade da depressão ou do uso de drogas antidepressivas do paciente.

32-5

Observando que o mineral funciona rapidamente e é bem tolerado, o estudo concluiu que pode ser uma alternativa segura à medicação farmacêutica.

Realizado durante um período de 12 semanas, o estudo envolveu um total de 126 pacientes com idade média de 52 anos. Cada paciente foi distribuído aleatoriamente para um dos dois grupos: o primeiro grupo recebeu magnésio por um período de 6 semanas, enquanto o segundo grupo atuou como placebo. Durante as 6 semanas seguintes, as funções dos dois grupos foram revertidas, ou seja, o primeiro grupo passou a funcionar como placebo e o segundo a receber magnésio.

Durante cada parcela de tratamento de 6 semanas do ensaio, o magnésio foi administrado aos pacientes em uma dose de 248 mg por dia.

Impressionantemente, os pesquisadores descobriram que uma melhora nos sintomas foi evidenciada dentro de 2 semanas e que foi mantida durante o tratamento.

Male-Contraceptive-Pills

Notavelmente, portanto, com base em suas experiências durante o ensaio, a maioria dos pacientes relatou que eles usariam suplementos de magnésio no futuro.

A publicação deste estudo contribui para a crescente evidência de que as abordagens nutricionais podem ser eficazes no controle da depressão. Recentemente, por exemplo, em uma constatação consistente com o princípio-chave da Medicina Celular que afirma que a deficiência de micronutrientes em longo prazo é a principal causa de doenças crônicas, uma revisão científica observou que baixos níveis de vitaminas do complexo B são comuns em pacientes com depressão, e que sua suplementação demonstrou melhorar.

Da mesma forma, uma meta-análise publicada em 2016 descobriu que os ácidos graxos ômega-3 podem reduzir até sintomas graves de transtorno depressivo. Examinando 13 ensaios randomizados controlados por placebo envolvendo 1.233 participantes que sofriam com a doença, os pesquisadores afirmam que doses mais elevadas de ácido eicosapentaenoico (EPA) foram especialmente benéficas.

Como observam os pesquisadores no estudo do magnésio, a depressão afeta um número (enorme) de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. Com esta condição de saúde mental prevista para se tornar uma das mais impactantes quanto à mortalidade, morbidade, custos financeiros e outros fatores até 2030, não só as drogas atuais possuem eficácia variável e imprevisível no controle da condição como também trazem um risco de efeitos colaterais e estão associadas a problemas de longo prazo como o diabetes. A preocupação particular é a constatação de que a classe mais comum de antidepressivos, conhecida como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), está relacionada com homicídios e outros crimes.

Enquanto uma parte da indústria farmacêutica preferiria que os pacientes não acreditassem que a nutrição possa ser efetiva contra transtornos de saúde mental, estudos mostram claramente que o nosso bem-estar psicológico está intimamente ligado aos alimentos que consumimos diariamente.

A melhora da dieta foi demonstrada em ensaios controlados randomizados para ser eficaz no manejo da depressão maior, enquanto o consumo de fast food e muitos produtos industrializados é conhecido por estar associado a um maior risco de depressão.

A evidência científica sugere cada vez mais que o velho ditado “nós somos o que comemos” aplica-se tanto ao nosso bem-estar físico quanto à nossa saúde mental. Compartilhe!

As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. 

Fonte: Essentia



Compartilhar no Facebook