"Slime": Mãe relata ENVENENAMENTO da Filha por Substância usada na Geleca!

Uma menina de 12 anos, chamada Valentina Pagano, está internada há mais de uma semana em um hospital na zona sul de São Paulo por suspeita de intoxicação com slime, brinquedo em forma de “geleca” que faz sucesso entre as crianças nos dias de hoje.

A mãe da criança, Cris Pagano, fez uma publicação em seu Facebook alertando aos pais sobre o ocorrido.

61423245_486576325249181_2923321828770316288_n

“Ela apresentava um quadro de gastroenterite sem nenhuma razão aparente. Todos os exames estão normais, hemograma e PCR inalterados, ultrassom e tomografia mostrando apenas um aumento e inflamação nos linfonodos intestinais. E hoje, depois de muitos dias de angústia, vendo ela piorando a cada dia – apesar do esquema fortíssimo de medicação para vômitos -, sem comer nada desde o início do quadro, veio o diagnóstico: ENVENENAMENTO POR BÓRAX”, escreveu no post.

61050745_2957311240947464_3756976565766848512_o

O bórax é um dos componentes usados na receita caseira do slime. Valentina também usou a rede social para alertar aos amigos e famílias sobre o risco do manuseio do brinquedo.

“Todos os dias no hospital, eu estava fazendo slimes porque sempre que recebia uma visita, eu ganhava materiais. Enquanto eu mexia com isso, ele penetrava na minha pele indo para a minha corrente sanguínea”, conta. Segundo a menina, os médicos só suspeitaram do bórax quando viram o produto no quarto do hospital.

“Mães, proíbam o uso nos slimes! O médico já avisou a Vigilância Sanitária, que informou já ter outras ocorrências”, completou a mãe.

O slime é uma massinha colorida, com aspecto gosmento, que pode ser manuseada com as mãos. O brinquedo pode ser feito em casa e tem sido muito usado por crianças e adolescentes.

Perigos do bórax

O bórax é uma substância alcalina é uma substância alcalina altamente tóxica que pode ser encontrada em produtos de limpeza domésticos e em âmbito industrial. De acordo com a dermatologista Mariana Paschoaleto Badaró, a ingestão ou inalação da substância pode acarretar complicações como irritação no trato respiratório, náusea, vômitos e diarreias. E em contato com a pele, pode resultar em vermelhidão, prurido e dor.

269569105_9d0ced1216_b

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, o bóráx, ou Borato de Sódio pode ser facilmente comprado pela internet, em pó. Alguns anúncios, inclusive, expõe a substância como ativador de slime.

O slime é seguro?

Infelizmente, casos de intoxicação ou irritação na pele podem ocorrer com a produção de slime. No entanto, existem ingredientes mais seguros que podem ser usados na produção da geleca.

Os ingredientes que costumam compor o Slime são: cola, bicarbonato de sódio, espuma de barbear, sabão em pó e líquido e corantes. Existem diferentes tipos de receitas e nem todas usam os mesmos ingredientes, mas de forma geral esses são os itens usados para a produção do brinquedo.

Segundo o professor de Química da Universidade Presbiteriana Mackenzie Rogério Aparecido, também doutor em saúde pública, de forma geral não há problema em os materiais do slime terem contato com a pele da criança. No entanto, é importante se atentar à medida de cada um.

"O fato de ter cola requer atenção dos pais. Cola branca é feita à base de PVA e em contato com a pele pode causar irritação nos olhos e na pele. Da mesma forma, a espuma de barbear também pode causar irritação na pele e nos olhos", explica Aparecido.

A dermatologista Mariana Paschoaleto Badaró alerta que é importante ter cuidado para que a brincadeira não prejudique a saúde da criança. "A pele das crianças ainda está em desenvolvimento e, portanto, elas são mais suscetíveis ao aparecimento de lesões inflamatórias e irritativas, por exemplo quando em contato com substâncias que podem ser usadas no slime", ressalta.

De acordo com ela, é necessário que os pais fiquem atentos às crianças que têm atopia ou dermatite atópica. "A barreira cutânea e a pele nessas crianças são mais sensíveis. Com isso surge o eczema, que são pequenas placas vermelhas que coçam e causam sensação de ardor". Segundo ela, os locais mais comuns em que se manifestam são as dobras dos braços e das pernas, mas também podem se manifestar ao redor dos olhos, na face e couro cabeludo.

Além dos ingredientes do slime, também é necessário prestar atenção ao contato da massinha com sujeira. Lembramos que o slime é gelatinoso e possui cola em sua composição - portanto, se cair no chão ou tiver contato com uma superfície suja, a poeira pode acabar grudando na superfície. Caso a criança não perceba e coloque o material em contato com boca ou olhos pode haver risco de contaminação.

Quem pode brincar com o slime

Mariana orienta aos pais que deixem as crianças brincarem com o slime somente após os 6 anos.

Também é válido evitar fazer slimes com componentes que a criança não entra em contato no dia a dia e preferir ingredientes hipoalergênicos e dermatologicamente testados.

Caso a criança já esteja envolvida com essa brincadeira, é fundamental orientar a lavagem das mãos com água pura em abundância e o uso de hidratantes para a pele das mãos após o contato com o slime, principalmente nas crianças que possuem dermatite atópica.

Caso a criança já esteja envolvida com essa brincadeira, é fundamental orientar a lavagem das mãos com água pura em abundância e o uso de hidratantes para a pele das mãos após o contato com o slime, principalmente nas crianças que possuem dermatite atópica.

Fonte: Minha Vida



Compartilhar no Facebook