Professor desenvolve COLCHÃO para Portadores de Fibromialgia!

Jorge Alves Junior, professor e fisioterapeuta do interior de São Paulo, desenvolveu um novo tipo de colchão capaz de melhorar a qualidade de vida e o sono de pessoas que sofrem de dor na lombar e fibromialgia.

Fabricado de maneira personalizada, o colchão desenvolvido pelo profissional possui um dispositivo que ajuda a aliviar as dores causadas por essas condições.

medicina-colchao

Durante o estudo realizado com 88 pacientes, Jorge analisou que o quadril é menor e mais pesado que os ombros, fazendo com que ao deitarmos a gravidade cause um desnível entre os membros.

Pensando nisso, o fisioterapeuta tirou as medidas de todos os participantes da pesquisa, produzindo colchões com diversas camadas e diferentes tipos de espuma.

Essa personalização foi responsável por criar uma estabilização do corpo, controlando os pontos de pressão na microcirculação periférica e auxiliando os pacientes a se sentirem mais confortáveis ao deitarem na cama.

Após ter a fase final de testes concluída, a ideia é que o projeto vire um aplicativo que, com indicação médica, permita que centenas de pessoas possam solicitar e receber um colchão personalizado em sua própria casa. A pesquisa já recebeu a aprovação da plataforma Brasil, responsável por fiscalizar o seguimento de regras em estudos científicos.

O que é fibromialgia?

fibromialgia-2-600x375

Fibromialgia é uma síndrome comum, na qual a pessoa tem como principal sintoma dores no corpo todo durante longos períodos, com sensibilidade nas articulações, nos músculos, tendões e em outros tecidos moles. Junto com a dor, a fibromialgia também causa fadiga, distúrbios do sono, dor de cabeça, depressão e ansiedade.

De cada 10 pacientes com fibromialgia, 7 a 9 são mulheres. Não se sabe a razão porque isto acontece. Não parece haver uma relação com hormônios, pois a fibromialgia afeta as mulheres tanto antes quanto depois da menopausa.

A idade de aparecimento da fibromialgia é geralmente entre os 30 e 60 anos. Porém, existem casos em pessoas mais velhas e também em crianças e adolescentes.

Fonte: Minha Vida



Compartilhar no Facebook