Por que tanto Cipro?

Temos visto nos últimos anos, cada vez com maior frequência, a prescrição do antibiótico ciprofloxacino para quadros infecciosos (ou mesmo não infecciosos) para os quais ele é desprovido de qualquer efeito terapêutico.

Um grande número dessas prescrições é realizada por médicos que trabalham em serviços de pronto-atendimento, isto é, aqueles profissionais que vêm o paciente muitas vezes na primeira vez que procuram atendimento médico. Mas não é incomum que nos deparemos com a prescrição inadequada desse antibiótico por outros médicos, como clínicos gerais, cirurgiões gerais, ginecologistas, dermatologistas, otorrinolaringologistas, etc.

40df1938736cd7acd594c50cbf09f377--cipro-medical-news

Quais são as condições clínicas nas quais esse produto é mais comumente prescrito de forma imprópria ?

  • Infecções de pele e tecido celular subcutâneo (por exemplo, impetigo, erisipela, abscessos, etc);
  • Pneumonias adquiridas fora do ambiente hospitalar;
  • Infecções urinárias;
  • Infecções de vias aéreas superiores (amidalite, otite, laringite, faringite, sinusites).

As prescrições de antibióticos para tais indicações, quando se somam, respondem certamente por cerca de 25% a 35% de todas prescrições de antibióticos na prática clínica diária.

Por que dizemos que são prescrições inadequadas ?

Quando se prescreve um determinado antibiótico para o tratamento de alguma infecção bacteriana há de se levar em consideração:

1. A atividade desse antibiótico diante da bactéria que se presume ser a principal causadora do processo infeccioso em questão;

2. A concentração desse antibiótico no local onde a infecção se situa, isto é, se após sua administração (por qualquer via, oral- intramuscular – endovenosa) ele alcançará níveis suficientes no local onde se situa a infecção de modo a que iniba o crescimento da bactéria ou acabe por matá-la.

Todas as infecções acima mencionadas constituem-se exemplos em que essas duas características não são preenchidas pelo cipro.

Assim sendo, salientemos que as bactérias principais causadoras de infecções de pele e tecido celular subcutâneo não estão incluídas dentre aquelas que se constituem no assim denominado “espectro de atividade do antibiótico”. Alia-se a isso, o fato conhecido que essa droga não atinge concentrações suficientes nesses tecidos de modo a que pudessem ser efetivamente úteis no tratamento dessas condições clínicas, das mais corriqueiras na prática clínica diária.

O uso de cipro no tratamento de pneumonias caracteriza-se pelas mesmas condições acima expostas: reduzida atividade contra os micro-organismos principais causadores de pneumonias adquiridas fora do ambiente hospitalar e baixa concentração em tecido pulmonar.

Riscos: resistência bacteriana

Antibiotic_sensitvity_and_resistance-obrazek_sredni_4078883

Já em relação às infecções do trato urinário, as condições são peculiares. Durante muitos anos, desde o lançamento desse antibiótico no início da década de 1980, o tratamento dessas infecções constituía-se excelente indicação do produto, que foi então extensivamente utilizado. Esse uso, talvez exagerado, paulatinamente veio se associando ao encontro crescente de resistência ao cipro das bactérias mais comumente implicadas nesse tipo de infecção.

A bactéria Escherichia coli é causadora de mais de 70% dessas infecções, sendo que atualmente cerca de 40-50% delas se mostram resistentes a esse antibiótico.

Como regra geral em antibioticoterapia, preconiza-se o uso empírico (isto é, uso prévio à identificação do agente bacteriano causador da infecção e do conhecimento do perfil de sensibilidade e resistência – “antibiograma”- da bactéria aos antibióticos) somente quando se tem conhecimento que o índice de resistência ao antibiótico não supere a taxa de 20% (preferencialmente sendo inferior a 10%).

Ressaltemos que esses índices de sensibilidade e resistência são muito variáveis de acordo com o local onde o paciente se encontra e, por esse motivo, preconiza-se que os Serviços de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) atuantes em todas instituições de saúde divulguem mensalmente esse perfil para que o médico prescritor atuando naquela instituição tenha conhecimento que embase a prescrição correta do antibiótico.

Infelizmente, não é essa a condição que vigora em nosso país. Temos visto em vários locais de nosso Brasil, que a grande maioria dos médicos não tem conhecimento desse perfil e não o demanda dos SCIH, em muito afetando uma melhor prática clínica.

No que tange às infecções das vias aéreas superiores, vigoram os mesmos óbices relacionados quanto ao tratamento de infecções cutâneas e pneumonias, isto é, reduzida atividade diante dos principais causadores dessas infecções aliada à reduzida concentração do antibiótico no local onde se situa o processo infeccioso.

Além da ineficácia do cipro diante dessas infecções, problema da maior relevância correlaciona-se aos mecanismos de resistência das bactérias a esse antibiótico e a grande probabilidade dessa resistência acabar por vir gerar resistência diante de uma ampla gama de outros antimicrobianos.

Conscientização

O uso indiscriminado de cipro pode gerar resistência bacteriana não somente contra ele, mas pode representar o caminho através do qual a bactéria vai se tornar resistente a grande parte dos antibióticos disponíveis no arsenal terapêutico.

Assim sendo, devemos lembrar ao médico que prescreve o antibiótico sua responsabilidade não somente diante do paciente sujeito de sua prescrição, mas também sua responsabilidade social em impedir a geração e posterior disseminação de resistência bacteriana, que vem cada vez se caracterizando como um dos mais importantes problemas de saúde pública, ponto de vista corroborado pela Organização Mundial da Saúde.

Compartilhe!

Fonte: Veja.com



Compartilhar no Facebook