Por que Milhões de MÃES são consumidas pelo Estresse?

É 2019 e as mulheres conquistaram há décadas o direito de ocuparem os postos de trabalho, mas um novo relatório mostra que suas carreiras ainda ficam presas em ideais impossíveis de trabalho fora e dentro de casa. Como resultado, elas estão sendo consumidas pelo estresse.

A socióloga Caitlyn Collins passou cinco anos estudando parentalidade em quatro países ocidentais para o projeto “Fazendo da maternidade um trabalho: como as mulheres gerenciam carreiras e cuidados com os filhos”, e ela fez interessantes descobertas.

m-e-696x464

“Nos países em que realizei entrevistas, um desejo permaneceu constante entre as mães. As mulheres queriam sentir que eram capazes de combinar emprego remunerado e criação de filhos de uma maneira que parecesse justa e não as prejudicasse em casa ou no trabalho.”

Collins iniciou a pesquisa tentando estudar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e, em vez disso, descobriu a prevalência do conflito entre trabalho e vida pessoal.

A Suécia lidera o apoio a famílias com filhos: mães e pais se aproximam de uma participação igual na criação de filhos e na conquista do sustento da família. No entanto, mesmo na Suécia, um ideal de maternidade acrescenta pressão às mulheres. Enquanto isso, em Berlim Oriental, com uma história de emprego universal de homens e mulheres, as mães não expressam nenhum conflito sobre o trabalho e têm amplo apoio na forma de políticas e assistência infantil. Mesmo assim, muitas mulheres não aspiram a uma “carreira”.

mae-esgotada

No entanto, na Alemanha Ocidental e na Itália, com fortes histórias de maternalismo (a crença de que as crianças são prejudicadas quando não criadas por mães), as mulheres sentem que a carreira é incompatível com a criação dos filhos e experimentam o estigma. O trabalho em tempo parcial é comum para eles.

Collins descobriu que os EUA estão em último lugar no apoio a famílias e crianças. “Os Estados Unidos são uma exceção entre os países industrializados do Ocidente por falta de apoio às mães que trabalham”, escreveu ela. As mães americanas destacaram-se em sua experiência de viver a culpa e o conflito entre trabalho e família. Elas tentam resolver isso mudando de emprego ou tornando-se mais eficientes. Todas essas são “estratégias individuais que abordam a criação de filhos como uma responsabilidade privada e o conflito entre família e trabalho como um problema pessoal”.

As mães americanas estão presas entre um esquema cultural conflitante – o da devoção do trabalhador e a devoção às crianças. “As mulheres que estão comprometidas com suas carreiras, mas tomam muito tempo para a família, violam o esquema de devoção, enquanto aqueles que evitam ou delegam seus compromissos familiares violam o esquema de devoção familiar.” O ideal cultural da maternidade é uma devoção absorvente de seus filhos como fonte do significado, da criatividade e da realização de sua vida . As crianças são vistas como frágeis e cuidadas apenas por mães amorosas. Os pais não podem ajudar muito, porque se acredita que eles não têm as habilidades certas de nutrir e educar.

A combinação de ideais impossíveis e incompatíveis de trabalho e lar, combinado à falta de apoio político e social para as famílias trabalhadoras, colocou as mães em uma situação de desvantagem.

mother-plays-with-children-picture-id522750261

Quando perguntada sobre isso, a socióloga explicou: “Eu quero que as mães parem de se culpar. Quero que as mães parem de pensar que, de alguma forma, o conflito é culpa delas, e que, se tentassem um pouco mais, conseguiriam um novo horário, que se acordassem um pouco mais cedo todas as manhãs, usando o planejador certo ou o aplicativo certo, de alguma forma descobririam a chave para gerenciar seu estresse. Esse não é o caso. (…) Este é um problema estrutural. Por isso, requer soluções estruturais. Nenhuma solução individual vai consertar isso. Esse é o ponto que estou tentando levar para casa. Vivemos em uma cultura em que valorizamos muito o individualismo e não pensamos no coletivo. Sempre. Para os sociólogos, todo o nosso trabalho é pensar em como a estrutura afeta nossa vida diária. Essa pesquisa me mostrou que precisamos de uma solução coletiva e estrutural”.

Quando perguntada sobre o que diria para as mães, Collins disse:

“Quero dizer às mães que isso não é culpa sua. Quando digo isso às mães, elas riem e dizem: “Sim, sim”, mas peço que me olhem nos olhos. Então eu digo: ‘Isto não é sua culpa’. E então as mulheres começam a chorar. Isso é poderoso. É poderoso o quanto as mulheres internalizaram a ideia de que, se apenas tentassem mais, não seria assim. E eu digo: ‘Não, isso não é para você. Você merece mais!’

Fonte: Psicologias do Brasil

Psychology Today



Compartilhar no Facebook