Piercing de Orelha contra Enxaqueca: Placebo ou Técnica eficaz?

Só quem tem crises de enxaqueca sabe o quão insuportável pode ser a dor e provavelmente toparia qualquer tratamento que minimizasse o sofrimento. Pois um piercing de orelha tem sido a aposta de muitos no alívio da enxaqueca.

O acessório, chamado Daith Piercing, é usado na dobrinha da cartilagem da orelha, pressionando um ponto de acupuntura responsável por liberar analgésicos naturais para o corpo. A eficácia da técnica, no entanto, é questionada.

Piercing-Na-Orelha-Contra-Enxaqueca---Nova-T-cnica

Enquanto vários usuários relatam alívio da dor em vídeos no Youtube, a Ciência duvida. De acordo com o médico Emad Emestalmak, especialista em dores de cabeça, os relatos de alívio da enxaqueca se devem ao efeito placebo do acessório. Segundo ele, um piercing de orelha não é capaz de interferir na patologia da enxaqueca. “Não há nada na literatura que eu tenha ouvido falar, nada que eu tenha lido, nada que eu tenha estudado por aí que apoie esse procedimento para tratar a enxaqueca”, disse à revista científica Cleveland Clinic.

Outros especialistas, no entanto, veem eficácia na técnica. A explicação é simples: a orelha é cheia de terminações nervosas que ao serem pressionadas refletem diretamente em outras zonas do corpo.

daithPiercingLocation

Isso foi confirmado por uma pesquisa feita pelo site especializado em pesquisas científicas sobre enxaqueca, o Migrane Pal. Ao todo, foram entrevistadas 380 pessoas que utilizavam o piercing de orelha Daith Piercing. A maioria relatou resultados positivos.

64% dos entrevistados relataram uma diminuição na freqüência de suas enxaquecas. Quanto à intensidade da dor, 66% disseram que as dores ficaram mais fracas, 29% não sentiram nenhuma mudança e 5% sentiram uma piora.

No geral, a pesquisa sugere que o piercing de orelha tem algum potencial para ajudar as pessoas a aliviar enxaquecas – pelo menos a curto prazo. Caso você sofra com enxaqueca, o recomendável é procurar um médico ou conversar com um acupunturista sobre essa técnica ou outras que possam funcionar para o seu caso.

Fonte: Catraca Livre



Compartilhar no Facebook