Pensamentos negativos constantes aumentam risco de Alzheimer, diz estudo!

Afastar pensamentos negativos recorrentes não é uma recomendação apenas daqueles adeptos de uma vida good vibes. Segundo um estudo liderado pela Universidade College London, na Inglaterra, ter esse tipo de comportamento com frequência pode aumentar o risco de Alzheimer.

A pesquisa, publicada no último dia 7 de junho na revista científica Alzheimer & Dementia, analisou 360 pessoas com mais de 55 anos e percebeu que pensar sempre em coisas ruins está ligado a uma maior quantidade de proteínas no cérebro que são as responsáveis pelo Alzheimer.

86953

A equipe monitorou os voluntários durante dois anos. Além de responderem a perguntas sobre o que pensam acerca de experiências negativas, os participantes foram submetidos a exames que avaliaram a deposição das proteínas tau e amilóide, que levam ao Alzheimer quando se acumulam no cérebro.

Os cientistas notaram que as pessoas que passaram mais tempo pensando em coisas negativas apresentaram maior acúmulo dessas proteínas. O comportamento também foi associado a uma pior memória e a um maior declínio cognitivo em um período de 4 anos em comparação àqueles que não eram pessimistas.

"Esperamos que nossas descobertas possam ser usadas para desenvolver estratégias que reduzam esse risco nas pessoas, ajudando-as a diminuir seus padrões de pensamento negativo", conta Natalie Marchant, principal autora do estudo, em comunicado.

iStock-1205192336

Gael Chételat, coautor da pesquisa, ressalta que práticas mentais como meditação podem ajudar a promover pensamentos positivos — e afastar aqueles que fazem mal ao corpo e à mente.

Fonte: Revista Galileu



Compartilhar no Facebook