Novas Vacinas eficazes para a "Doença de Lyme" estão chegando!

Atualmente, não há vacina eficaz disponível para prevenir a doença de Lyme em humanos. Especialistas do meio acadêmico, do governo e da indústria se reuniram no Banbury Center do Cold Spring Harbor Laboratory para enfrentar esse desafio de saúde pública.

Agora, um novo artigo publicado na edição de 17 de outubro de 2019 da Clinical Infectious Diseases destaca as discussões da conferência, reitera a necessidade de interromper a infecção e define uma estratégia para o desenvolvimento de vacinas eficazes.

GYSYLE3N1SCQOAWOT93M

Leia também: Se você encontrar uma Mancha em formato de Alvo na sua Pele, procure um Médico imediatamente!

"Contramedidas como vacinas são necessárias para conter o crescente número de casos por ano", disse Steven Schutzer, autor sênior do artigo e médico-cientista da Rutgers New Jersey Medical School. "Isso é extremamente importante, porque você pode contrair a doença de Lyme mais de uma vez".

A doença de Lyme é causada por Borrelia burgdorferi, uma bactéria transmitida pela picada de um carrapato infectado. A única medida preventiva atualmente disponível para os seres humanos é a "orientação" para evitar picadas de carrapatos.

A ineficácia dessa estratégia é sugerida pelos estimados 300.000 casos diagnosticados de doença de Lyme que ocorrem anualmente nos Estados Unidos, além de mais de 100.000 na Europa.

O diagnóstico e o tratamento precoces podem combater a infecção; no entanto, se não for tratado, aumenta o risco de a infecção se espalhar para as articulações, coração e sistema nervoso. Mesmo aqueles que foram diagnosticados e tratados com sucesso podem ser novamente infectados se mordidos novamente.

Os autores deste novo artigo usaram discussões na reunião do Banbury Center para identificar as novas estratégias mais promissoras para combater a infecção.

iStock-Hailshadow-696x392

"Podemos prever o desenvolvimento de estratégias de vacinas híbridas direcionadas tanto ao micróbio agressor quanto ao portador de carrapatos para prevenir a doença de Lyme", disse a Dra. Maria Gomes-Solecki, principal autora do artigo e pesquisadora da Universidade do Tennessee. "É uma abordagem dupla."

Além de descrever novas abordagens científicas, os autores consideram as implicações sociais de uma nova vacina. "A vacinação contra a doença de Lyme é a escolha pessoal de um indivíduo", observam os autores. "O conceito de imunização pessoal contra uma doença não-contagiosa versus vacinação generalizada para impedir a propagação de uma infecção contagiosa deve fazer parte da educação e discussão públicas".

Fonte: MedicalXpress



Compartilhar no Facebook