Não pode ouvir direito por que está sem os óculos? O "Efeito McGurk" ou quando sua visão influi na sua audição!

Você já deve ter ouvido a frase de sua avó ou de alguma outra pessoa de idade. “Não posso ouvir direito, estou sem óculos!”. Apesar de parecer absurdo que a falta dos óculos, que afeta apenas a nossa visão, possa comprometer também a audição, alguns cientistas acham que é algo plausível.

Lawrence Rosenblum, professor da faculdade de psicologia da Universidade da Califórnia, considera que nossos sentidos estão integrados, embora não pareçam.

thumbnail_standard

Por exemplo, para entendermos o que outra pessoa está dizendo usamos principalmente a nossa audição, mas também fazemos um bocado de leitura labial. Então a visão e a audição se complementariam na hora de “ouvir” alguma coisa.

Sendo assim, faria sentido que alguém com problemas de visão não consiga ouvir direito quando está sem os óculos – isso comprometeria a leitura labial.

A visão é nosso sentido mais desenvolvido, mas poucas vezes trabalha sozinho. Com frequência coopera com o ouvido, como indicou um estudo recente, que nossos tímpanos se movem para mudar nossa audição na mesma direção que está olhando; um fato curioso que ainda não se conhece a razão.

Essa também é a origem de um curioso equívoco que nos leva a escutar um som diferente por culpa do que vemos, o Efeito McGurk!

A verdade é que a realidade que percebemos nem sempre é verdadeira. Comecemos com um vídeo. Olhe atentamente nesta moça. O que ela está dizendo?

Soa: bar, bar, bar, bar... certo?

Passemos a outro vídeo. Volte a olhar o rosto da nossa protagonista. O que ela está dizendo agora?

Soa: far, far, far, far... certo?

Pois não. Em realidade a trilha de áudio é a mesma do vídeo anterior. Ela segue dizendo bar, bar, bar, bar... mas nosso cérebro não interpreta esse som, senão far, far, far, far... A razão é que seus lábios estão pronunciando essa sílaba e não a que escutamos.

Nosso cérebro não só escuta o que diz. Também lê seus lábios para contribuir informação complementar.

Quando essa informação não concorda, tendemos a confundir o vocábulo porque estamos acostumados a dar mais crédito a nossa visão do que a a audição, porque, como disse São Tomé, "é preciso ver para crer!"

O efeito fica evidenciado mais claramente neste terceiro vídeo que mistura os lábios pronunciando os vocábulos bar (esquerda) e far (direita), mas com uma única trilha de som: bar. Se deslocarmos a vista de um lado a outro, quase podemos notar como nosso cérebro briga para conciliar o que vê e ouve e o som muda sutilmente de bar a far.

Muito curioso isso, não é mesmo? Compartilhe!

Fonte: Hypescience

MDig



Compartilhar no Facebook