Médica explica o que ocorre ao corpo no fim da vida: "Morrer não é tão ruim quanto se pensa"!

"Na minha humilde opinião, morrer não é tão ruim quanto se pensa." Essa é a visão da morte por Kathryn Mannix, médica britânica pioneira em cuidados paliativos, que dedica sua carreira a tratar pacientes com doenças incuráveis nos últimos estágios de sua vida.

Para a autora do livro "With the End in Mind: Dying, Death, and Wisdom in an Age of Denial" ("Com o fim em mente: morrer, morte e sabedoria na era da negação", em tradução livre), a sociedade nos leva a evitar falar desse processo e a substituir a palavra "morte" por eufemismos.

E isso torna muito mais difícil lidar com a perda de um ente querido, argumenta Mannix.

a-morte-normal-e-realmente-um-processo-tranquilo---algo-que-podemos-reconhecer-para-o-qual-podemos-nos-preparar-e-algo-com-o-que-podemos-lidar-diz-mannix-1523272908206_615x300

A BBC Ideas, plataforma da BBC que explora ideias questionando verdades estabelecidas, traz seu depoimento:

"Nós deixamos de falar sobre a morte. Deixamos de usar a palavra 'morrer' e passamos a usar outras similares. Em vez de 'morto', dizemos 'falecido'. Em vez de dizer que alguém está morrendo, dizemos que ele está 'muito doente'.

Quando se usam essas palavras, as famílias não entendem que está se aproximando o momento da morte.

Isso é um grande problema porque, quando a família está junto ao leito de alguém prestes a morrer, não sabe o que dizer entre si ou para o próprio doente, que também não sabe o que dizer ou o que esperar.

Trata-se de uma cena marcada por tristeza, ansiedade e desesperança. E, na minha humilde opinião, não precisa ser assim. Acho que perdemos a imensa sabedoria humana de aceitar a morte de um modo normal. Acho que é hora de voltar a falar da morte e recuperar essa sabedoria.

Como é morrer normalmente? Assim como nascer, é apenas um processo. Gradualmente, a pessoa vai se cansando, se esgotando.

À medida que o tempo passa, ela vai dormindo mais, passa menos tempo acordada. A família pode ir aprendendo sobre os melhores momentos para dar os medicamentos (ao paciente) ou deixar as visitas entrarem.

Pode acontecer de visitantes ou familiares encontrarem o paciente dormindo. E muitas vezes pode estar acontecendo uma mudança que é pequena, porém muito significativa. É que, em vez de estar dormindo, a pessoa pode estar temporariamente inconsciente. Não podemos acordá-la nem dar a ela o medicamento. Não podemos dizer que chegou uma visita. Ainda assim, quando ela acorda, ela conta que teve um bom sono.

Post-Surgery-Care

Então ficamos sabendo que esse estado de coma não foi aterrorizante. Simplesmente não percebemos esse lapso à inconsciência no momento em que ele ocorre.

Som da morte

À medida que o tempo passa, essa pessoa passa menos tempo acordada, mais tempo dormindo, até que, no final, fica inconsciente o tempo todo.

Essas pessoas estão tão relaxadas que nem se darão ao trabalho de pigarrear, limpando a garganta, então pode ser que a respiração passe por pequenas quantidades de muco ou saliva na parte de trás da garganta.

Isso pode causar um ruído estranho, que muitos chamam de 'estertor da morte' (death rattle, em inglês).

As pessoas falam desse som como se fosse algo terrível, mas esse som, na verdade, me diz que o paciente está tão profundamente relaxado, e em um estado de consciência tão profundo, que sequer a saliva na garganta o incomoda enquanto as bolhas de ar entram e saem dos pulmões.

Então, bem no finzinho da vida, haverá um período de respiração superficial, e uma expiração que não será seguida por uma inspiração. Às vezes é algo tão suave que os familiares sequer percebem.

069

Por isso, a morte normal é realmente um processo tranquilo - algo que podemos reconhecer, para o qual podemos nos preparar e algo com o que podemos lidar.

E isso deveria ser algo a ser celebrado. Algo com o que podemos nos consolar uns aos outros. Mas por muitos considerarem indelicado falar sobre a morte, isso virou, de fato, o segredo mais bem guardado da medicina.

Por isso, na minha opinião, morrer é algo que deveríamos recuperar, algo sobre o que deveríamos falar e nos consolar mutuamente."

Clique aqui para assistir o depoimento original de Kathryn Mannix (em inglês

Fonte: BBC.com



Compartilhar no Facebook