"Me dê uma Corda, Eu quero me Matar", diz Menino de 9 anos com Nanismo, por sofrer Bullying!

Um vídeo chocante de um menino de apenas 9 anos dizendo que queria tirar a própria vida, depois de sofrer bullying na escola, viralizou nas redes sociais.

O menino é Quaden e o vídeo foi compartilhado por sua mãe Yarraka Bayles, de Brisbane, Austrália, em uma tentativa de aumentar a conscientização sobre o impacto do bullying.

Quaden vive com o tipo mais comum de nanismo, chamado acondroplasia e, segundo a mãe, há tempos o seu filho é chamado de "anão" pelos colegas de classe.

No vídeo, o estudante implora para a mãe: "Me dê uma corda, eu quero me matar. Eu só quero me esfaquear no coração, quero que alguém me mate".

"Acabei de pegar meu filho na escola, testemunhei um episódio de bullying, liguei para o diretor e quero que as pessoas saibam que esse é o efeito do bullying. Eu preciso de mais conselhos, quero que as pessoas saibam o quanto isso está nos machucando como família", disse a mãe no vídeo.

maxresdefault--29-

Felizmente, desde que compartilhou o vídeo, a família recebeu muitas mensagens de apoio e carinho tanto de amigos como de usuários do Facebook que se sensibilizaram com a história. Além disso a equipe nacional de rugby australiana Indigenous All Stars até convidou o pequeno Quaden para ir ao campo no sábado e conhecê-los.

Como ajudar seu filho que está sofrendo bullying?

Segundo a psicopedagoga Sueli Bravi, é importante incentivar seu filho a falar sobre o assunto e sobre como se sente.

"É essencial elevar a autoestima destas crianças. Os pais devem tratar o assunto com seriedade, sem pressionar os filhos a reagir e sem fazer com que ele se sinta pior lhe dizendo que deveria deixar para lá", afirma.

Além disso, a psicóloga Elaine enfatiza a importância do acompanhamento psicológico. Segundo ela, a terapia pode ajudar a criança a melhorar sua autoestima e ensiná-la a lidar melhor com suas emoções. Ela ainda alerta que, em alguns casos, é recomendável até mesmo a mudança de escola para que a criança não adquira aversão ao ambiente escolar.

Fonte: Minha Vida



Compartilhar no Facebook