Gosta de Abóbora? Espere até provar a Folha!

Embora as variedades de abóbora sejam cultivadas em muitas partes do mundo, são ainda poucos os locais que consomem suas folhas como verduras.

As folhas de abóbora são ricas em diversos nutrientes, incluindo: Ferro, Fósforo, Magnésio, Vitamina A, Vitamina K, Cálcio, Potássio, Ácido Fólico, Vitamina C, Manganês, Vitaminas do Complexo B.

plantar-abobora

Seu sabor lembra um mix de feijão verde, aspargos, brócolis e espinafre, e as folhas podem ser utilizadas como qualquer outra verdura em refogados, como recheio de pratos, saladas e sopas.

Fortalecimento dos ossos e dentes

As folhas de abóbora são ricas em cálcio e ferro e isso ajuda a deixar seus ossos e dentes bem mais fortes.

Reduz os sintomas de Artrite Reumatoide

Por ser rica em Vitamina B6, alivia e reduz dores, podendo tratar dores musculares e das articulações advindas da Artrite. Baixos níveis da Vitamina já foram associados a quadros da doença.

Alivia a TPM

Atenção mulheres: consumir quantidades adequadas do nutriente Manganês é essencial para reduzir sintomas relacionados ao humor, dores de cabeça, depressão e irritabilidade! Muitos tratamentos contra quadros mais graves de TPM são tratados através da suplementação de Manganês.

Auxilia nos quadros de Constipação e melhora o Funcionamento Intestinal

Rica em fibras insolúveis, o consumo regular das folhas ajuda a movimentação das fezes e o movimento intestinal prevenindo complicações (incluindo hemorroidas e diverticulose).

Aparência da Pele

A folha de abóbora possui Vitamina A, responsável por proteger o corpo contra Radicais Livres e toxinas que causam envelhecimento precoce. Além disso, ajuda a reter a umidade da pele, mantendo-a lisa e macia (é claro, tomados os devidos cuidados de hidratação, boa alimentação, bons hábitos, etc!!).

green-87885_960_720

Será mesmo que “não posso comer mais nada” ou que “não tem nada para comer”? Fomos presenteados com uma biodiversidade enorme: plantas, verduras, hortaliças, frutas…chega a ser ABSURDO pensar que estamos presos a poucos tipos de alimentos. Compartilhe essa dica!

Fonte: Dr. Victor Sorrentino



Compartilhar no Facebook