Fibra do Mamão Papaia maduro pode inibir lesões pré-câncerígenas no intestino!

Composto por 86% de água e excelente fonte de ferro, cálcio, magnésio e potássio, o mamão é famoso por favorecer o bom funcionamento do intestino e auxiliar no processo digestório, já que possui propriedades laxativas, fibras e papaína, uma enzima que ajuda na digestão de proteínas.

iStock-177546268

E além de seus já conhecidos benefícios para a saúde, mamão papaia maduro ainda pode inibir o surgimento de lesões pré-câncer no intestino, segundo tese elaborada pela nutricionista Samira Bernardino Ramos do Prado, pesquisadora do Centro de Pesquisa em Alimentos da USP (Universidade de São Paulo).

Mamão pode amenizar efeito invasivo do câncer

Coordenada pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, a pesquisa demonstrou que a pectina, um tipo de fibra solúvel do mamão papaia maduro, é capaz de inibir o surgimento de lesões pré-neoplásicas no intestino em ratos, que aparecem antes do desenvolvimento do câncer de cólon.

Nos experimentos, animais com lesões pré-neoplásicas no intestino foram alimentados com a fibra do mamão verde e a fibra do mamão maduro. Um terceiro grupo de animais, que serviu como grupo controle, foi alimentado com celulose, uma fibra insolúvel que não é biologicamente ativa.

Posteriormente, os pesquisadores contaram as lesões em cada grupo e verificaram que os ratos que consumiram a fibra do mamão maduro tinham menos lesões do que os outros.

Ensaios in vitro com células humanas de câncer ainda demonstraram que as fibras do mamão maduro tiveram um melhor desempenho ao induzir a morte de células cancerígenas e inibir a sua proliferação e migração.

cancer-colon-reto-0317-1400x800

Um dos alvos dessa etapa foi a galectina-3, proteína produzida normalmente pelo organismo que, em alguns tipos de câncer, tem sua expressão aumentada. Um fragmento dessa proteína é capaz de se ligar à fibra, evitando assim que ela se relacione com a célula cancerígena e amenize o efeito mais invasivo do câncer.

Fonte: Vix.com

Jornal da USP



Compartilhar no Facebook