Fazer uma TATUAGEM pode deixar vestígios de Níquel e Cromo nos Linfonodos!

Se você der uma olhada nos gânglios linfáticos de uma pessoa fortemente tatuada, perceberá algo muito estranho: uma pitada microscópica de metal.

Já se sabe há algum tempo que a tatuagem pode resultar na introdução de nanopartículas de metal no corpo, onde são bombeadas até serem capturadas pelo sistema imunológico em um linfonodo, encontrado em todo o corpo, inclusive na axila, virilha, e pescoço. Anteriormente, assumiu-se que a contaminação vinha das tintas, no entanto, um novo estudo mostrou que não é esse o caso.

tattoo-health-risks.jpg.653x0_q80_crop-smart

Os cientistas descobriram que traços de níquel e cromo encontrados nos gânglios linfáticos das pessoas tatuadas realmente se originam na agulha da pistola de tatuagem, conforme relatado no Particle and Fiber Toxicology Journal.

“Há mais problemas em se fazer tatuagens do que se aparenta. Não se trata apenas da limpeza da sala, da esterilização do equipamento ou mesmo dos pigmentos. Agora descobrimos que o desgaste da agulha também tem impacto no seu corpo”, explicou Hiram Castillo, um dos autores do estudo.

22-scientistsfi

A equipe, liderada por pesquisadores do Instituto Federal de Avaliação de Riscos na Alemanha, iniciou sua investigação estudando os tecidos de pessoas tatuadas e não tatuadas falecidas. Dentro dos tecidos linfonodais da coorte com tinta, eles encontraram partículas de ferro, cromo e níquel variando de 50 nanômetros a 2 micrômetros de tamanho. Isso pode parecer insignificante, mas as nanopartículas são potencialmente mais perigosas que as partículas maiores, pois possuem uma relação superfície/volume mais alta, o que leva a uma maior liberação de elementos tóxicos.

Para sua surpresa, esses metais não eram tão comuns nas tintas de tatuagem, então começaram a procurar a fonte em outro lugar.

“Testamos cerca de 50 amostras de tinta sem encontrar essas partículas de metal e garantimos que não tivéssemos contaminado as amostras durante a preparação da amostra. Então pensamos em testar a agulha e esse era o nosso momento 'eureka'”, acrescentou Ines Schreiver, autora e cientista correspondente do Instituto Federal de Avaliação de Riscos.

cropped-2019.08.26-ESRF

Uma análise mais profunda mostrou que as tintas de tatuagem verde, azul e vermelha contêm um pigmento branco chamado dióxido de titânio, que pode desgastar a agulha. A tinta preta, no entanto, não contém esse pigmento e a agulha gasta menos.

Essa descoberta pode ajudar a explicar por que as tatuagens podem ocasionalmente causar reações alérgicas em algumas pessoas. Quanto às implicações mais amplas para a saúde de ter um linfonodo carregado de nanopartículas, isso permanece incerto por enquanto.

Atualmente, há pouca ou nenhuma evidência para sugerir que as tatuagens estão associadas a problemas de saúde mais amplos, no entanto, os pesquisadores esperam investigar esse assunto um pouco mais antes de se decidirem por alguma conclusão.

"Infelizmente, hoje, não podemos determinar o impacto exato na saúde humana e o possível desenvolvimento de alergias decorrentes do desgaste das agulhas de tatuagem", explicou Schreiver. "Esses são efeitos a longo prazo que só podem ser avaliados em estudos epidemiológicos de longo prazo que monitorar a saúde de milhares de pessoas ao longo de décadas".

Fonte: IFL Science



Compartilhar no Facebook