Existe uma Doença SÉRIA que é muito confundida com a Conjuntivite!

Vermelhidão, dor ocular, sensibilidade à luz… Sintomas muitas vezes atribuídos à conjuntivite também podem caracterizar a uveíte, uma inflamação no olho com diferentes causas que, se não diagnosticada e combatida a tempo, pode afetar a visão para sempre.

A boa notícia: um remédio moderno está sendo incorporado na rede pública de saúde para enfrentar uma versão desse problema.

cirurgias_uveite

Antes de falar em tratamento, porém, precisamos explicar o que é essa enfermidade. “Uveíte é um termo genérico para designar qualquer inflamação na úvea, uma camada que se prolonga pelo olho todo”, introduz o oftalmologista João Lins de Andrade Neto, presidente da Sociedade Brasileira de Uveítes (SBU).

A tal úvea envolve três estruturas principais: íris (a parte colorida do olho), corpo ciliar e coroide (uma membrana que abastece a região com sangue). Especificidades à parte, ela circunda o órgão da visão – portanto, a uveíte pode comprometer diferentes regiões do olho.

“Muitos episódios não têm uma causa conhecida. Mas infecções e doenças reumatológicas estão associadas à doença”, ressalta Lins.

A toxoplasmose e a sífilis estão entre as principais causas no Brasil da uveíte posterior, que ataca o fundo do olho. Nesses casos, os agentes infecciosos provocam uma inflamação no olho que dispara o problema.

Já as doenças reumatológicas autoimunes, como a artrite reumatoide, estão mais ligadas à uveíte anterior (que acomete a frente do olho). Aqui, são as próprias células de defesa do corpo que agridem a úvea.

v2n1a02-fig01

Em resumo, quem sofre ou sofreu com alguma dessas enfermidades deve ficar especialmente atento.

Há ainda a uveíte intermediária – que aflige o meio do olho – e até uma versão que acaba abalando o globo ocular como um todo.

Sintomas

Eles costumam variar da uveíte anterior para a posterior. No primeiro caso, envolvem:

• Sensibilidade à luz (fotofobia)

• Olho vermelho (hiperemia)

• Dor no olho

• Eventualmente algum déficit visual

Como se pode ver, essa é a versão do problema que mais se confunde com a conjuntivite. Já na uveíte posterior, alterações na visão são mais comuns e acentuadas.

Sem tratamento correto, a enfermidade eventualmente avança e provoca complicações. Ela pode abrir as portas para catarata e glaucoma, por exemplo, ou alterar a anatomia do olho, o que também culmina em perda de visão.

Diagnóstico

“Eu digo que a uveíte é a doença que mais aproxima o oftalmologista do clínico geral”, afirma Lins. É que são tantas as questões para observar – algumas, em partes do corpo distantes dos olhos – que só uma avaliação do paciente como um todo fará o diagnóstico direito.

Além do mais, a própria confusão com a conjuntivite já reforça a necessidade de o médico descartar outras condições de saúde que trazem sinais semelhantes. “O tratamento da uveíte é diferente do da conjuntivite. Sem entender o que está causando os sintomas, fica complicado amenizá-los”, esclarece o oftalmologista da SBU.

Por outro lado, pessoas que já tiveram uveíte (sim, ela pode ir e vir ou ser crônica) não raro aplicam medicações específicas ao menor sinal de olho vermelho por acharem que se trata de mais uma crise. Mas e se for apenas uma conjuntivite?

Para diagnosticar a uveíte, os médicos podem lançar mão de exames de sangue, aparelhos que observam o fundo de olho e até testes oftalmológicos mais refinados.

Tratamento

Ele, claro, também varia conforme a causa da uveíte e a região afetada. Se for provocada por sífilis ou toxoplasmose, um dos focos é justamente vencer essas doenças. E, claro, preservar a anatomia do olho com eventuais colírios ou outros remédios.

Quando a uveíte é provocada por uma doença autoimune (a exemplo, de novo, da artrite reumatoide), corticoides tendem a entrar em cena para acalmar as células de defesa e controlar os estragos no olho.

uveite

E aqui entra o tratamento moderno que mencionamos anteriormente. Chamado de adalimumabe – da farmacêutica Abbvie –, ele está sendo incorporado ao Sistema Único de Saúde (SUS) para casos de uveíte não infecciosa. “É uma droga já utilizada para artrite reumatoide que controla muito bem a inflamação”, diz Lins.

Ainda assim, ela não deve ser utilizada logo de cara, inclusive porque não é barata.

Atenção! O bom tratamento para a uveíte do seu amigo pode ser muito diferente do seu. Se notar algum sintoma no olho, não deixe de procurar ajuda especializada.

Fonte: Revista Saúde



Compartilhar no Facebook