Esclerose Múltipla: Novo Tratamento já era usado contra outras doenças!

Por mais que as opções de remédios contra essa desordem tenham se multiplicado nos últimos anos, ainda existem alguns casos de esclerose múltipla de difícil controle. A falta de boas medicações é sentida principalmente na forma progressiva, marcada pelo avanço contínuo dos sintomas. “Esse subtipo costuma se iniciar em indivíduos mais velhos, a partir dos 45 ou 50 anos”, explica o neurologista Denis Bichuetti, da Universidade Federal de São Paulo.

Mas o cenário pode mudar em breve: o medicamento ibidulast, disponível há décadas no Japão para tratar AVC e asma, chamou a atenção ao reduzir danos cerebrais num estudo com 255 pacientes, publicado no periódico The New England Journal of Medicine.

esclerose-multipla_thinkstock

Agora, ele será avaliado em um grupo maior de voluntários para ver se os bons resultados se repetem.

Tipos de esclerose

  • Remitente recorrente: Se manifesta por meio de surtos que ocorrem de forma súbita. Depois, o quadro volta ao normal.

  • Progressiva: Os incômodos, como as dificuldades motoras, se acumulam aos poucos e progridem com o tempo.

Como funcionam os tratamentos atuais

5ke05x0g5j_7cducrael3_file

  • Imunomoduladores convencionais: São os mais antigos. Administrados por meio de injeções, eles têm potência baixa.

  • Imunomoduladores sintéticos: Esses comprimidos são prescritos quando a situação tem uma gravidade média.

  • Anticorpos monoclonais: Grupo dos princípios ativos mais modernos e potentes. O problema é o custo mais elevado.

  • Terapias de apoio: Fisioterapia, suporte emocional e fortalecimento físico são essenciais para minimizar as sequelas.

Fonte: Saúde Abril



Compartilhar no Facebook