“Doença do Pombo”: Mortes em SP gera ALERTA!

Pouco falada, a criptococose - conhecida como “Doença do Pombo” - fez duas vítimas em São Paulo recentemente. O empresário José Wilson de Souza morreu em 19 de julho, enquanto a morte do cinegrafista Mauro Sérgio Gil Senhorães ocorreu no dia 23 do mesmo mês. Ambos ficaram internados por 4 meses em hospitais diferentes e, antes disso, tinham vida ativa e eram sadios, segundo familiares, a quem os médicos informaram sobre a doença.

pombos

Os sintomas apresentados pelos dois homens eram semelhantes: intensa dor de cabeça, tonturas, febre, além de falta de ar e cansaço. Em algumas situações, as pessoas podem confundir os sinais da doença com gripe forte. Ao final da internação dos dois pacientes, os quadros se agravaram: o empresário chegou a ficar em coma.

Como a criptococose não é uma doença de notificação compulsória - ou seja, não é exigido que seus casos sejam comunicados à vigilância sanitária, não há dados precisos sobre o quanto ela afeta a população, e o caso de morte em decorrência dela gerou um alerta.

O que é Criptococose ou “Doença do Pombo”

De acordo com informações do Ministério da Saúde, a criptococose é uma doença classificada como micose sistêmica que se manifesta a partir da inalação de fungos do gênero Cryptococcus e, em boa parte dos casos, é letal.

Controle-Pombos-industria-empresas

Dividido em algumas variantes, este fungo está relacionado aos pombos por ser facilmente encontrado nas fezes destes tão comuns animais.

Como se pega?

Quando se fala em “Doença do Pombo”, é comum que as pessoas pensem que simplesmente encostar na ave pode transmitir o mal, mas, na realidade, o processo é diferente. Uma vez secas, as fezes transmitem os fungos causadores da doença para o ar, e eles podem então ser inalados, instalando-se inicialmente no pulmão

transmissao-criptococose

Como sua manifestação no organismo está ligada a quadros de imunidade baixa, a Secretaria Municipal da Saúde do Estado de São Paulo afirma que a doença tem alta incidência em quem tem Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS).

Sintomas

A partir do momento em que se alojam nos pulmões, os esporos podem então migrar para a corrente sanguínea e se manifestar de forma generalizada. De acordo com um artigo publicado no Jornal Brasileiro de Pneumologia, a inalação do fungo pode, primariamente, gerar desde uma infecção pulmonar assintomática até uma mais aguda, com febre, tosse e dor torácica.

Segundo o Ministério da Saúde, a manifestação dos primeiros sintomas depende do quão forte ou fragilizado está o sistema imunológico da pessoa. Em geral, os pacientes chegam ao hospital após manifestar sintomas da criptococose por um período de três semanas a três meses. Quando a criptococose evolui para sua forma sistêmica, porém, o problema fica ainda mais grave.

Ao se tornar sistêmica - ou seja, se espalhar pelo organismo -, é comum que o fungo ataque a membrana que reveste o cérebro, gerando a neurocriptococose, que normalmente se manifesta em forma de meningite. Aqui, o paciente manifesta sintomas clássicos da doença, como febre, fadiga, dor de cabeça, rigidez na nuca, náuseas, vômito, confusão mental e alterações na visão.

Além disso, o Ministério da Saúde também informa que a criptococose pode se manifestar de forma cutânea (variação que representa de 10% a 15% dos casos da doença), apresentando lesões avermelhadas e com secreção purulenta na pele e ulcerações ou massas subcutâneas (semelhante a um tumor).

Diagnóstico

images--52-

O diagnóstico da criptococose depende de avaliação médica dos sintomas seguidas por exames laboratoriais que identificam os fungos em material colhido do paciente (sangue, urina ou pus). Para complementar, é possível que o especialista peça tomografia, ressonância magnética ou radiografia do tórax para identificar danos pulmonares.

Tratamento

Como a “Doença do Pombo” pode se manifestar de diferentes formas e ser causadas por diferentes variações do fungo, o tratamento é definido com base no quadro de cada paciente. Em geral, são administrados medicamentos antifúngicos e outros remédios para tratar as infecções decorrentes da doença - tudo com o paciente internado.

Como se prevenir

Embora não haja medidas preventivas específicas para a criptococose, o Ministério e a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo possuem algumas recomendações gerais tanto para a população quanto para agentes sanitários:

-Uso de equipamentos de proteção individual (máscaras) na hora de higienizar locais onde há a criação de aves ou aglomerado de pombos;

  • Controle populacional de pombos (redução da disponibilidade de alimento, água e abrigos);

  • Umidificação das fezes das aves antes de limpá-las para que o material não gere poeira e faça com que o fungo caia no ar;

  • Vedação de frestas que possibilitem a entrada de aves e outros animais em áreas como telhado, porão e sótão;

  • Eliminação de qualquer fonte de alimento e abrigo em locais onde pombos se aglomeram, colocando barreiras físicas onde eles costumam ficar;

  • Não entrar em locais fechados desconhecidos (como cavernas e galpões) que não estejam liberados para visitação, especialmente se ele for morada de aves ou morcegos.

Fonte: Vix.com



Compartilhar no Facebook