Descoberto "tratamento em casa" promissor para COVID-19: medicamento aprovado pela FDA para Hanseníase!

Um estudo da Nature de autoria de cientistas do Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute e da Universidade de Hong Kong mostra que o medicamento contra hanseníase clofazimina, aprovado pela FDA e na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde, exibe potentes atividades antivirais contra SARS-CoV- 2 e previne a resposta inflamatória exagerada associada a COVID-19 grave.

Com base nessas descobertas, um estudo de Fase 2 avaliando a clofazimina como um tratamento caseiro para COVID-19 poderia começar imediatamente.

“A clofazimina é um candidato ideal para um tratamento COVID-19. É seguro, acessível, fácil de fazer, tomado como uma pílula e pode ser disponibilizado globalmente”, diz a co-autora Sumit Chanda, Ph.D., professora e diretora do Programa de Imunidade e Patogênese da Sanford Burnham Prebys. “Esperamos testar a clofazimina em um ensaio clínico de Fase 2 o mais rápido possível para pessoas com teste positivo para COVID-19, mas não hospitalizadas. Uma vez que atualmente não há tratamento ambulatorial disponível para esses indivíduos, a clofazimina pode ajudar a reduzir o impacto da doença, o que é particularmente importante agora que vemos novas variantes do vírus emergirem e contra as quais as vacinas atuais parecem menos eficazes.

Virologist-Sumit-Chanda

Neste estudo, os pesquisadores testaram a clofazimina em hamsters - um modelo animal para COVID-19 - infectados com SARS-CoV-2. Os cientistas descobriram que a clofazimina reduziu a quantidade de vírus nos pulmões, inclusive quando administrada a animais saudáveis antes da infecção (profilaticamente).

A droga também reduziu os danos aos pulmões e evitou a “tempestade de citocinas”, uma resposta inflamatória avassaladora ao SARS-CoV-2 que pode ser mortal.

“Os animais que receberam clofazimina tiveram menos danos pulmonares e carga viral mais baixa, especialmente quando receberam a droga antes da infecção”, diz o co-autor Ren Sun, Ph.D., professor da Universidade de Hong Kong e distinto professor emérito do Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA). “Além de inibir o vírus, há indícios de que a droga também regula a resposta do hospedeiro ao vírus, o que proporciona melhor controle da infecção e inflamação.”

A clofazimina também funcionou sinergicamente com o remdesivir, o tratamento padrão atual para pessoas hospitalizadas devido ao COVID-19, quando administrado a hamsters infectados com SARS-CoV-2. Essas descobertas sugerem uma oportunidade potencial para aumentar a disponibilidade de remdesivir, que é caro e em quantidade limitada.

Como funciona a clofazimina

O estudo mostrou que a clofazimina interrompe a infecção por SARS-CoV-2 de duas maneiras: bloqueando sua entrada nas células e interrompendo a replicação do RNA (o SARS-CoV-2 usa o RNA para se replicar).

A clofazimina foi capaz de reduzir a replicação do MERS-CoV, o coronavírus que causa a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), no tecido pulmonar humano.

Droga velha encontra um novo propósito

A clofazimina foi descoberta em 1954 e é usada no tratamento da lepra. Sua promessa para o tratamento de COVID-19 foi descoberta por uma triagem de alto rendimento de mais de 12.000 medicamentos da biblioteca de medicamentos ReFRAME - uma das coleções mais abrangentes de compostos que foram aprovados pelo FDA para outras doenças ou que foram amplamente testados para segurança humana. ReFRAME foi criado pela Calibr, a Divisão de descoberta de medicamentos da Scripps Research, com o apoio da Fundação Bill & Melinda Gates, com o objetivo de reaproveitar os medicamentos existentes para atender às necessidades clínicas não atendidas.

Fonte: SciTechDaily



Compartilhar no Facebook