"Criptosporidíase": Por que você deve se preocupar se gosta de Piscina!

A criptosporidiose, ou criptosporidíase, é uma doença diarreica causada pelo parasita microscópico Cryptosporidium - e ele pode estar vivendo na piscina que você frequenta.

O alerta foi emitido nos EUA, onde as autoridades de saúde detectaram que o número de surtos registrados de criptosporidíase vem aumentando fortemente - em média 13% ao ano de 2009 a 2017.

Crypto-Hawash-2014

"Internacionalmente, este é um dos patógenos mais importantes para estar no radar de todos," alerta o Dr. Joseph Eisenberg, epidemiologista da Universidade de Michigan (EUA).

Basta apenas algumas dúzias de ovos do Cryptosporidium para que uma pessoa seja infectada - e uma pessoa infectada pode produzir milhões desses ovos microscópicos.

"A infecção é transmitida pela exposição à forma de ovo do parasita. O parasita se reproduz dentro da pessoa infectada e é expelido pelas fezes, onde o ciclo recomeça," acrescenta o professor Vernon Carruthers, que está estudando o atual surto do protozoário nas piscinas.

Bebês com fraldas de natação

Crypto-outros-perigos-abundam-em-volta-da-piscina

O protozoário geralmente entra no corpo humano quando as pessoas engolem a água da piscina.

E os bebês usando fraldas de natação são os principais responsáveis pela disseminação do parasita, dizem os pesquisadores.

O professor Carruthers destaca que, uma vez na piscina, é difícil exterminar os ovos do Cryptosporidium: "Eles podem viver por anos se não ficarem ressecados, ou se você não estiver em um clima que chega a temperaturas congelantes [como em partes dos EUA]. O frio pode matá-los, o cloro não."

Além disso, o parasita é tão pequeno que passa facilmente através de filtros que foram originalmente projetados para filtrar parasitas maiores, como Giardia, acrescenta o Dr. Eisenberg.

Cuidados para evitar a Criptosporidíase

Para evitar a infecção pelo protozoário Cryptosporidium, os pesquisadores recomendam as práticas já divulgadas pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, como:

  • Não deixe a criança nadar se estiver com diarreia, mesmo que já esteja se recuperando.

  • Leve as crianças ao banheiro de vez em quando e verifique as fraldas dos menores a cada hora.

  • Troque as fraldas em um banheiro ou área de troca de fraldas, não ao lado da piscina.

Embora a maioria dos surtos de criptosporidíase esteja associada às piscinas (35%), 15% estão ligados à exposição ao gado.

É recomendado que, ante a exposição a esses animais de criação, a pessoa troque de roupa e tome banho para remover qualquer sujeira ou bactéria que possa estar na pele.

Fonte: Diário da Saúde



Compartilhar no Facebook