Cogumelos Mágicos proporcionam MELHORIAS PROFUNDAS na Qualidade de Vida de Pacientes com Câncer!

Lidar com um diagnóstico de câncer pode causar sérios problemas psicológicos, mas pesquisas sugerem que a psilocibina, o composto ativo dos cogumelos mágicos, pode ajudar os pacientes a superar muitos dos desafios existenciais que acompanham a doença.

Aparecendo no Journal of Psychopharmacology, um novo estudo indica que um único tratamento com a droga pode gerar melhorias profundas na qualidade de vida de pacientes com câncer por até 4,5 anos.

1730-psyco-0_600

O estudo baseia-se em pesquisa publicada em 2016, quando o tratamento com psilocibina foi fornecido a 29 pessoas que sofriam de câncer com risco de vida, todas diagnosticadas com depressão ou ansiedade como consequência de sua doença. Meio ano depois, cerca de 60 a 80% dos participantes apresentaram uma redução significativa nos sintomas relacionados à depressão ou ansiedade.

Dos 16 participantes sobreviventes desse estudo, 15 concordaram em participar do novo estudo de acompanhamento, que constatou que essas “reduções de ansiedade, depressão, desesperança, desmoralização e ansiedade de morte foram mantidas” 4,5 anos após o início do tratamento com a psilocibina. Como antes, 60 a 80% dos participantes ainda preenchiam os critérios para “respostas antidepressivas ou ansiolíticas clinicamente significativas”, com 71 a 100% atribuindo essas melhorias à sua experiência com psilocibina.

Um participante explicou que “experimentei um amor tão avassalador em minha experiência com a psilocibina, que me deu uma nova confiança ... acho que a extrema profundidade do amor que senti mudou a maneira como me relaciono com os outros. Isso me deu a sensação de que tenho o direito de estar aqui e aproveitar a vida.”

1730-psyco-2

Outro descreveu como “a experiência da psilocibina mudou meus pensamentos sobre mim no mundo. Eu me vejo de uma maneira menos limitada. Eu sou mais aberto à vida. Isso me tirou de uma grande carga de sentimentos e problemas passados em minha vida que eu carregava por aí. ”

Os autores do estudo enfatizam que esses insights foram obtidos não apenas pela psilocibina, mas pela combinação da substância com a psicoterapia. Eles especulam que essa experiência possa "levar alguém a desenvolver aumentos duradouros na flexibilidade psicológica".

Eles dizem que isso poderia permitir que os pacientes “estabelecessem uma nova estrutura interna a partir da qual pudessem valer-se de recursos de forma flexível internamente e em seu ambiente para lidar com estressores da vida, particularmente estressores associados ao diagnóstico de câncer”.

Fonte: IFL Science



Compartilhar no Facebook