Cientistas descobrem Sinais de NOVOS Neurônios se desenvolvendo até mesmo em Cérebros de Idosos com mais de 87 anos!

Os seres humanos desenvolvem novas células cerebrais ao longo de sua vida adulta tardia, mostra um novo estudo, mesmo continuando quando as pessoas estão chegando aos 90 anos.

As descobertas, que revelam por quanto tempo a neurogênese realmente se estende em humanos, também mostram que o processo está suspenso em pacientes com doença de Alzheimer - uma descoberta que pode nos ajudar a explorar novas formas de tratar a doença.

llorenslab-neurogenesis-s

A maior parte da neurogênese ocorre durante o desenvolvimento embrionário e, quando as pessoas nascem, a maioria dos seus neurônios já se formou. Mas esse não é o fim da história. Na década de 1960, foi descoberto que a neurogênese adulta também ocorre em mamíferos: novas células do sistema nervoso continuam a crescer no cérebro, mesmo quando os animais envelhecem.

Exatamente como esse mecanismo funciona em humanos - e por quanto tempo ele dura - não tem sido fácil determinar, devido a uma série de questões no estudo de cérebros humanos.

Mas, em um novo estudo conduzido pela bióloga molecular Maria Llorens-Martin, da Universidade Autônoma de Madri, na Espanha, os pesquisadores estudaram o tecido cerebral de pacientes humanos falecidos para examinar a neurogênese do hipocampo adulto (AHN) com mais detalhes.

Para descobrir se novos neurônios continuam a se desenvolver em pessoas mais velhas, os pesquisadores estudaram uma região do hipocampo chamada giro dentado (DG) em amostras de tecido obtidas de 13 pessoas falecidas.

Essas pessoas, com idades entre 43 e 87 anos, morreram por várias razões, incluindo câncer, derrame, sepse e outras causas fatais - mas todas foram consideradas neurologicamente saudáveis antes de morrerem, deixando seus corpos para a ciência.

Esse gesto final revela algo importante sobre a neurogênese adulta: ela se estende até a nona década de vida, dizem os pesquisadores, e é mostrada por milhares de células chamadas de neurônios que expressam a duplocortina (DCX +) no GD, que correspondem à neurogênese.

091-neurogenesis-neurons_1024

Quando a equipe analisou os cérebros de 45 pacientes falecidos com doença de Alzheimer com idade entre 52 e 97 anos, eles notaram "um declínio acentuado e progressivo neste número à medida que a doença avançava".

Em contraste, em pessoas neurologicamente saudáveis, parece que a idade traz um declínio mais moderado na neurogênese adulta, com o tecido DG dos 13 pacientes saudáveis mostrando uma diminuição mais brusca nas células DCX +, uma vez que sua idade variou de 43 a 87.

"No entanto, o número de células DCX + detectadas em indivíduos neurologicamente saudáveis de qualquer idade foi consistentemente maior do que o encontrado em pacientes com Alzheimer, independentemente da idade desses pacientes", explicam os pesquisadores.

"Estes dados apoiam fortemente a noção de que a doença de Alzheimer(DA) é uma condição que difere do envelhecimento fisiológico e sugere que, apesar do declínio fisiológico relacionado à idade na população de células DCX +, mecanismos neuropatológicos independentes contribuem para devastar a população de neurônios imaturos na DA".

Os pesquisadores também dizem que a neurogênese adulta em pacientes com DA parece ser afetada negativamente, mesmo nos estágios iniciais da doença, antes que os emaranhados neurofibrilares e as placas senis se tornem pronunciados.

Embora muito mais pesquisas precisem ser feitas antes que possamos entender por que isso está acontecendo, a equipe propõe que um sistema para monitorar a detecção precoce de deficiências da AHN por métodos não invasivos poderia ajudar os médicos a identificar os biomarcadores da DA inicial antes que ela progrida.

"Nossos dados trazem à luz a existência de uma população dinâmica de neurônios imaturos no GD humano durante todo o envelhecimento fisiológico e patológico até a décima década de vida", concluem os pesquisadores.

Os resultados são relatados na Nature Medicine.

Fonte: Science Alert



Compartilhar no Facebook