Câncer e Carne grelhada: O que você precisa saber ANTES de preparar um Churrasco!

Nada melhor para estragar um bom churrasco com amigos do que analisar a relação entre carne vermelha e risco de câncer. Mas, antes de dar a primeira mordida naquela picanha maravilhosa assada na churrasqueira, há algumas coisinhas que você precisa saber, sim.

Pesquisas sugerem que as carnes – bovina, de porco, frango ou peixe—formam compostos químicos carcinogênicos chamados aminoácidos heterocíclicos (HCA) e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA) quando são grelhadas ou assadas sob alta temperatura (são as chamadas “marcas deixadas pela grelha”).

5b02cce61a0000c704cdf56f

Em experimentos de laboratório, esses compostos “mostraram ser mutagênicos – ou seja, causam mudanças no DNA que podem elevar o risco de câncer”, segundo o Instituto Nacional de Câncer dos EUA.

Theodore M. Brasky, epidemiologista oncológico e professor assistente no Comprehensive Cancer Center da Universidade Ohio State, disse ao HuffPost US que existem dados sobre os efeitos de HCAs e HPAs sobre outros animais com os quais foram realizados muitos dos estudos sobre o assunto. Mas os dados são menos concretos quando se trata de humanos.

“Os estudos com pessoas são mais complicados porque é difícil controlar todos os aspectos”, ele explicou. “Mesmo assim, existem muitas evidências provadas por estudos epidemiológicos indicando que indivíduos saudáveis que relatam que consomem carnes bem passadas ou assadas em churrasco tendem a apresentar maior incidência de cânceres do trato digestivo (especialmente câncer de cólon) ao longo do tempo, depois de levados em conta outros fatores.”

Kirsten Moysich, especialista em saúde pública e prevenção do câncer no Roswell Park Comprehensive Cancer Center, em Buffalo, Nova York, disse a mesma coisa. “Alguns estudos indicaram que indivíduos que consomem muita carne grelhada correm risco maior de câncer do cólon, da próstata e pancreático. Mas outros estudos não apontaram para essa ligação”, disse.

Moysich e Brasky apontaram para algo que talvez seja mais problemático em seu churrasco do que a presença de uma chama alta: carnes processadas, como linguiças e salsichas, que contêm aditivos e substâncias químicas cancerígenos.

“A Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer qualificou as carnes processadas como carcinógeno do ‘grupo um’ – ou seja, existem evidências convincentes de que são carcinogênicas para os humanos”, disse Brasky. “A agência calcula que o consumo diário de 50 gramas de carne processada está associada a um aumento de 18% no risco de câncer colorretal.”

Mesmo segundo esses números, seria preciso comer uma salsicha todos os dias para elevar exponencialmente seu risco de câncer. Mas, se você está preocupado com a ideia de entrar em contato com alimentos ou métodos de preparo potencialmente prejudiciais, há maneiras de evitar ou reduzir o risco.

Moysich recomenda “cortar fora as áreas chamuscadas da carne e virar a carne com frequência enquanto ela assa”. Ela também sugeriu incluir no seu churrasco vegetais e frutas assadas, que não produzem HCAs e “estão ligados a um risco reduzido de câncer”.

Grilling-Fruits-and-Vegetables-03

Brasky recomenda algo que seria beneficial a todos nós, tanto no preparo de churrascos quanto na vida em geral: menos pressa. Assar a carne a uma temperatura mais baixa e por mais tempo significa menos chance de a carne ficar chamuscada.

“Lembre-se que as carnes não devem ser chamuscadas. E, se você se permitir tempo a mais para fazer seu churrasco ao ar livre, vai poder abaixar a temperatura da grelha para menos de 150 graus Celsius”, disse.

O Instituto Americano de Pesquisas do Câncer nota também que marinadas são uma ótima maneira de criar uma barreira entre a carne e a chama, para reduzir a quantidade de HCAs. A organização sugere cortar fora a gordura da carne e até cozinhá-la previamente antes de colocá-la sobre a grelha.

Como é o caso de muitas coisas na vida, Moysich lembra que a melhor prática é ter consciência e prestar atenção na frequência com que você faz alguma coisa – quer seja comer carne processada, assar carne na churrasqueira ou outra.

“Em última análise, tudo deve ser feito com moderação”, ela recomenda. “As pessoas não precisam ter medo de comer carne grelhada, mas devem balancear esse prazer com o consumo de vegetais, uma caminhada rápida, evitar fumar e limitar seu consumo de bebidas alcoólicas.”

Churrascos felizes e saudáveis – é o que desejamos a todos!

Fonte: Huffpost Brasil



Compartilhar no Facebook