Câncer de Vesícula é Silencioso!

O câncer de vesícula é raro e de difícil diagnóstico. Ele afeta a vesícula biliar, um órgão pequeno ligado ao lado direito do fígado. Tem em média de 7 a 10 cm de comprimento e é nela que fica armazenada a bile, substância produzida pelo fígado que ajuda a digerir a gordura que consumimos pela alimentação.

Quando a vesícula é afetada por alguma condição, problemas intestinais, cólicas e intolerâncias alimentares começam a surgir. Outros sintomas são dores abdominais no lado direito do abdômen, logo abaixo das costelas, inchaço, enjoos e vômitos frequentes, peles e olhos amarelados, perda de peso, falta de apetite e febre.

obstrucao-biliar

No entanto, o câncer de vesícula é conhecido por seu diagnóstico difícil e, geralmente, tardio. Na maioria dos casos, os sintomas começam a surgir somente quando o quadro do paciente está avançado. Somente cerca de 20% dos casos são descobertos em seus estágios iniciais e quando ainda não houve metástases.

É necessário uma série de testes para alcançar um diagnóstico exato e o grau de estadiamento do câncer. Além de exames como ultrassom, tomografia, ressonância e biópsia, o histórico clínico do paciente também é analisado.

Nos casos em que a doença é detectada em seus primeiros estágios, a retirada da vesícula pode curar o paciente, pois, apesar de ter uma função importante, ela não é vital e é possível levar uma vida com qualidade mantendo cuidados específicos, como uma dieta restrita e livre de gorduras e comidas pesadas.

calculos-biliares.jpg.pagespeed.ce.6IaTg9kWQd

Como ocorre com a maioria dos cânceres, a chance de cura total é maior quanto menos avançado é o estágio do câncer. Ainda assim, o tratamento vai depender da evolução a partir do diagnóstico e de outros fatores influentes, como condições físicas gerais e idade do paciente.

O tratamento pode envolver cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Em casos muito avançados, quando não há possibilidade de cura, existem tratamentos paliativos que ajudam aliviar dores e outros sintomas.

Fonte: Vencer o Câncer



Compartilhar no Facebook