Bebê de aparência saudável pode espalhar o Coronavírus, diz estudo!

Primeiro, a mãe e a babá foram hospitalizadas com pneumonia e suspeita coronavírus. No dia seguinte, o pai adoeceu com febre e dor de garganta e também foi hospitalizado. Sem ninguém para cuidar da criança, ela foi levado ao hospital e ficou em uma unidade de isolamento. O bebê — um menino de 6 meses — chegou sem sintomas de COVID-19. Segundo os médicos, ele parecia perfeitamente saudável, respirava bem e não tinha febre.

Mas um exame surpreendeu a todos: enormes quantidades do novo coronavírus foram detectadas no bebê. O vírus estava em sua garganta, sangue e fezes. Patógenos continuaram sendo detectados no garoto nos primeiros 16 dias em que ele esteve no hospital. Mas ele nunca apresentou sintomas, apenas um febre leve que voltou ao normal em uma hora.

coronavirus_pediatria

O caso aconteceu em Cingapura e foi relatado em um estudo publicado na revista Clinical Infectious Diseases. A mãe não viajou, mas seu trabalho a colocou em contato próximo com turistas da China, o epicentro do surto. "Enquanto a maioria dos adultos com infecção por COVID-19 tem febre, sintomas respiratórios e/ou alterações nos raios X do tórax, os dados atuais sugerem que a maioria das crianças infectadas apresenta sintomas leves ou inexistentes", escreveram os autores, especialistas da KK Women's and Hospital Infantil e Centro Nacional de Doenças Infecciosas em Cingapura.

Em entrevista ao Los Angeles Times, Otto Yang, especialista em doenças infecciosas da UCLA — e que não faz parte do estudo —, disse que os resultados têm "implicações importantes", pois mostram como as crianças podem "ter sintomas mínimos ou inexistência de sintomas, mas são infecciosas".

“Em geral, quanto mais jovem você é, menos graves são os sintomas. Mas isso não é porque você não é infectado. É porque a infecção não faz com que você fique doente", disse Yang. "No entanto, você provavelmente ainda permanece infectanto outras pessoas", concluiu.

Uma possível razão pela qual bebês e crianças pequenas não foram ameaçadas criticamente pelo novo coronavírus é o seu sistema imunológico imaturo. Um sistema imunológico não desenvolvido pode impedir que o corpo desencadeie inflamações graves o suficiente para resultar em pneumonia, choque séptico ou falha de órgãos, disse Yang. O risco é muito maior naqueles com mais de 70 anos. As condições médicas subjacentes também são um fator de risco para complicações, como diabetes, obesidade, doença cardíaca, pulmão ou rim e aqueles com sistema imunológico enfraquecido, de acordo com o Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.

Outros estudos

Outros estudos confirmam a idéia de que bebês, crianças pequenas e jovens não estão ficando doentes por conta do vírus. Uma revisão abrangente de 44.672 pacientes com COVID-19 confirmados em laboratório na China pelas autoridades chinesas, constatou que nenhuma morte ocorreu entre menores de 10 anos.

Outro estudo realizado por especialistas em Wuhan, China, publicado no Journal of American Medical Assn, analisou todos os bebês hospitalizados diagnosticados com infecção por COVID-19 entre 8 de dezembro e 6 de fevereiro na China.

capa-115542-coronavis_confirmado_no_brasil_e_suspeita_chega_na_bahia

Até 6 de fevereiro, havia 31.211 casos confirmados de COVID-19 e 637 mortes, mas os autores encontraram apenas nove bebês infectados que foram hospitalizados em todo o país. "Nenhum dos nove bebês necessitou de cuidados intensivos ou ventilação mecânica ou teve complicações graves", segundo o estudo. Quatro apresentavam febre, dois sintomas leves do trato respiratório superior e um não apresentava sintomas, mas foi positivo para o vírus devido à exposição à família infectada. Não houve sintomas disponíveis para os outros dois pacientes.

E um relatório publicado no World Journal of Pediatrics, resumindo o consenso de especialistas sobre o coronavírus em crianças, também alertou que pessoas que têm uma "infecção silenciosa" estão entre as principais fontes de transmissão da doença.

"Devemos dar importância a casos assintomáticos, que podem desempenhar um papel crítico no processo de transmissão", afirmou o relatório. “Gotas respiratórias e contato são as principais rotas de transmissão. O contato próximo com casos sintomáticos e casos assintomáticos com infecção silenciosa são as principais vias de transmissão da infecção em crianças.”

Fonte: Crescer



Compartilhar no Facebook