3 Sintomas Leves podem prever quais Pacientes com Coronavírus desenvolvem Doença Pulmonar Grave, sugerem pesquisas!

Médicos da Universidade de Nova York usaram dados de 53 pacientes com coronavírus na China para prever quais sintomas leves podem levar a casos graves.

Eles descobriram que uma combinação de dores musculares profundas, um aumento de uma enzima hepática chamada ALT e níveis elevados de hemoglobina podem ser um sinal de alerta precoce de doença pulmonar grave.

download---2020-04-02T201729.248

A pandemia de coronavírus forçou os médicos a tomar decisões difíceis sobre quais pacientes recebem atendimento médico imediato.Na cidade de Nova York, onde mais de 38.000 casos foram relatados, os hospitais estão reservando exames para pacientes com doenças graves, enquanto pessoas com casos leves - que ainda podem ser dolorosos e duradouros - foram instruídas a ficar em casa. Mas os médicos ainda sabem muito pouco sobre os sintomas que servem como sinais de alerta para um caso grave de COVID-19.

Um novo estudo de pesquisadores da Universidade de Nova York usou análises preditivas para determinar os primeiros sinais de doença pulmonar grave entre os pacientes com COVID-19.

Os pesquisadores determinaram que 3 sintomas, juntos, eram fortes preditores da síndrome do desconforto respiratório agudo, uma lesão pulmonar com risco de vida que pode exigir a intubação do paciente.

O primeiro fator foi um ligeiro aumento da ALT, uma enzima que pode sinalizar a presença de danos ou inflamação no fígado. O segundo foram dores musculares profundas, conhecidas clinicamente como mialgia. O terceiro eram níveis mais altos de hemoglobina, uma proteína que transporta oxigênio pelo sangue.

"Nossa esperança é ajudar os médicos nesse primeiro estágio a identificar quem pode ficar doente com os muitos casos leves", disse Megan Coffee, clínica de doenças infecciosas e principal autora do estudo, ao Business Insider.

O estudo analisou registros de 53 pacientes hospitalizados em Wenzhou, China. A maioria tinha entre 30 e 40 anos e quase dois terços eram homens.

Enquanto os sintomas típicos do COVID-19 incluem febre, tosse seca e dificuldade em respirar, as dores no corpo são o próximo sintoma mais comum, de acordo com a Organização Mundial da Saúde; a agência informou em fevereiro que cerca de 15% dos pacientes com coronavírus experimentavam dores no corpo ou dores nas articulações.

Coffee disse que, como médica, agora está prestando mais atenção aos pacientes que apresentam esses sintomas - mas que todos os três devem estar presentes para que alguém tenha um risco precoce de doença pulmonar grave.

A sinalização de casos graves pode diminuir as visitas de emergência

Por conta própria, os três sintomas leves normalmente não disparam sinais de alarme para os médicos, disse Coffee.

"Dores no corpo não seriam a primeira coisa que eu perguntaria", disse ela. "É claro que eu sempre perguntaria sobre falta de ar antes de qualquer coisa, porque é alguém que precisa ser ajudado imediatamente".

02virus-pandemic-sub-videoSixteenByNineJumbo1600

Porém, determinar se é provável que um paciente piore pode ajudar os hospitais a decidir quais casos monitorar.

"Os hospitais estão tão sobrecarregados que, se alguém não precisar de oxigênio imediatamente, talvez não consiga encontrar um lugar para eles", disse Coffee. "Mas eles podem dizer: 'Você realmente precisa voltar amanhã'."

Os médicos poderiam então tratar um paciente antes que seu caso se tornasse crítico, diminuindo a carga nas salas de emergência.

Fonte: Business Insider



Compartilhar no Facebook