Perca Peso Agora

Podemos Mesmo Confiar na Data de Validade dos Alimentos?

“Vender perto de”, “melhor se usado por”, “expira em”, “valido até”, “data de validade”; a vida útil dos alimentos parece ser uma ciência exata, concreta e bem regulada, mas não é: ela difere por região e tipo de alimento. No final, esses rótulos significam quase nada, o que leva tanto ao desperdício de alimentos quanto a uma pressuposta sensação de segurança.

A origem da data de validade dos alimentos vem de uma tentativa de facilitar a vida moderna.

Na década de 1970, os americanos tinham se afastado da compra de alimentos nas fazendas e pequenas mercearias e compravam a maior parte de seus alimentos em grandes mercearias. Na época, os fabricantes começaram a usar códigos especiais que diziam aos vendedores quando deveriam rodar o estoque.

Como seria de esperar, as pessoas decifraram estes códigos e lançaram um pequeno livro, chamado “Blind Dates: Como quebrar os códigos dos alimentos que você compra”. Como o nome sugere, o livro mostrou aos consumidores como os códigos funcionavam, para que eles pudessem comprar alimentos frescos.

À medida que mais e mais consumidores quebraram os códigos, mais pessoas começaram a pedir algum tipo de etiqueta na sua alimentação que comprovasse que aquele alimento era fresco. Com isso, mercados e fornecedores de alimentos voluntariamente começaram a incluir a data de validade na sua alimentação. Conforme o tempo passava, vender assim tornou-se comum, mas não de forma consistente.

O congresso americano então introduziu algumas multas em meados dos anos 70 para regular as datas de vencimento, mas todas falharam. Assim, nos EUA, os estados definem como deve ser a embalagem dos produtos e a informação sobre a data de validade, por isso há uma grande variação.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, é responsável pelos rótulos, por isso temos um certo padrão: os produtos devem apresentar pelo menos o dia e o mês quando o prazo de validade for inferior a três meses; o mês e o ano quando o produto tiver prazo de validade superior a três meses. Se o mês de vencimento for dezembro, basta indicar o ano.

Ninguém realmente regula as datas de validade

Para a maioria dos alimentos embalados, estas datas são geralmente deixadas ao critério do produtor de alimentos.

Segundo o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, o IDEC, “O prazo de validade de um alimento é estabelecido pelos fabricantes a partir de pesquisas que têm como objetivo verificar e garantir a estabilidade de ingredientes e nutrientes, além de condições desejáveis em relação a aspectos físico-químicos”. Estes testes não são particularmente científicos ou indicativos da efetiva segurança do alimento, o que deixa as coisas altamente subjetivas.

Nos EUA, os especialistas dão notas aos alimentos, em números. Os números vão para baixo conforme a comida fica mais velha. Pão fica obsoleto. Molhos para salada podem começar a ter um gosto rançoso.

John Ruff, presidente do Instituto de Tecnólogos de Alimentos em Chicago, diz que as empresas que vendem esses alimentos olham esses graus e decidem onde eles vão desenhar a linha, para proteger a reputação de seus produtos.

“Se o produto foi concebido, vamos dizer, para ser um 7 quando fresco, você pode decidir que um que está em 6,2 já chegou ao ponto em que você não quer que esteja no mercado mais”, diz ele.

“Se este produto está em 6, a maioria das pessoas ainda acha razoavelmente bom? Com certeza”, diz ele. “Mas as empresas querem que as pessoas provem seus produtos da melhor forma possível, porque é assim que eles mantêm os seus negócios e as suas quotas de mercado”.

Isto mostra que a maioria das datas de vencimento, independentemente da terminologia utilizada, são principalmente sobre a “qualidade” dos alimentos, conforme determinado pelo fabricante. Raramente têm alguma coisa a ver com a segurança dos alimentos ou sua eventual deterioração.

É impossível descobrir uma data exata quando o alimento estragará

Nós gostamos de pensar que há uma data quantificável que vai nos dizer quando o alimento fica ruim, mas há muitas variáveis para que a resposta fosse algo tão simples. Esse é o problema real com a data de validade dos alimentos.

Quanto tempo a comida fica em um caminhão à espera de ser descarregada em um supermercado, há quanto tempo ela está em seu carro enquanto você dirige para casa, e muitas outras coisas são fatores que influenciam o cronograma para a deterioração dos alimentos.

O mais importante é que “alimentos vencidos” não vão garantidamente nos deixar doentes. Significa apenas que a comida talvez não tenha mais um gosto tão bom.

O que geralmente deixa você doente são coisas patogênicas, como salmonela ou E. coli, que podem viver em sua comida antes mesmo de você comprá-la, ou persistir depois de cozinhá-la se você não fizer isso corretamente.

Não há nenhuma etiqueta ou linha do tempo que garanta que a sua comida seja livre de bactérias que podem deixá-lo doente. O crescimento bacteriano depende do tempo e da temperatura, de modo que o manejo adequado dos alimentos é mais importante do que a data de validade.

É também por isso que a comida tende a durar mais tempo no congelador do que na geladeira – o freezer pode não matar todas as bactérias, mas as atrasa um pouco, e impede o crescimento bacteriano.

De qualquer maneira, comida vencida pode não ser a melhor coisa do mundo (e não há nenhuma razão para você comê-la se você não tem que), mas por si só, estar vencida não a torna imprópria para o consumo.

O que fazer em vez de depender da data de validade

Mas se as datas não mostram o tempo exato quando o alimento estragará, o que podemos fazer? Bem, o teste do cheiro ainda é a sua melhor opção.

Se cheira mal, provavelmente vai ter gosto ruim. Seus olhos também podem dizer muito. Se o alimento parece estragado, provavelmente está. Da mesma forma, certas carnes, como frango, tendem a ter uma textura viscosa e cor maçante quando estragam.

Todos nós temos a habilidade inata para dizer quando a comida é apetitosa ou pungente e podre. Confie nos seus sentidos.

Além disso, existem algumas outras orientações básicas que podem ajudar. Se você quiser pesquisar a longevidade específica de alimentos embalados e abertos, pesquisas em sites confiáveis podem fornecer toneladas de dicas sobre quanto tempo a comida tende a durar na geladeira ou congelada.

Finalmente, a sua melhor aposta é armazenar os alimentos adequadamente para que eles realmente durem o tempo que supostamente devem durar. Quando o alimento é mal manejado, por exemplo, ao descongelar asas de frango congeladas à temperatura ambiente durante seis horas, isto altera a segurança mais do que qualquer outra coisa, por isso certifique-se de seguir as regras básicas para descongelar.

Mantenha um olho afiado para o mofo ou outros sinais de deterioração, e cozinhe bem e corretamente os alimentos para evitar a contaminação.

O fato é que as datas de vencimento, independentemente da linguagem que usam ou dos testes pelos quais passam, significam pouco.

Enquanto elas valem um olhar quando você está no supermercado, são inúteis para além desse ponto, e certamente não valem a fé que a maioria de nós coloca nelas.

Podemos fazer muito melhor com os nossos olhos e narizes!

Fonte: Hypescience



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook