O buraco que engoliu Chris Cornell

Em pleno impacto pela morte do músico Chris Cornell, vocalista dos grupos Soundgarden e Audioslave, que se enforcou no banheiro de um quarto de hotel após um show em Detroit (EUA), na última quarta-feira, sua viúva, Vicky Cornell, publicou um comunicado em que descreveu o suicídio dele como “inexplicável”.

“Eu sei que ele amava os nossos filhos e que nunca tiraria a própria vida conscientemente, pelo mal que lhes causaria”, disse. Vicky Cornell suspeita que seu marido perdeu o juízo ao se exceder na medicação que usava contra a ansiedade.

“Quando falamos depois do show, notei que ele balbuciava. Estava diferente. Disse que talvez tivesse tomado um Ativan ou dois a mais”, contou. Vicky, segunda esposa do músico e mãe de dois de seus três filhos, ficou preocupada e, depois de terminar a ligação, pediu que alguém confirmasse que ele estava bem.

O autor da bem-sucedida canção Black Hole Sun (“buraco negro solar”), de 52 anos, uma das principais figuras da geração grunge – a resposta niilista dos anos noventa à tendência comercial do rock –, foi achado morto, com uma cinta ao redor do pescoço.

Kirk Pasich, advogado da família Cornell, queixou-se de que a imprensa está dando como certo que o cantor decidiu se matar, e reiterou que a família tem a convicção de que o artista “não sabia o que estava fazendo”.

Chris Cornell havia superado há uma década seu vício em drogas, o mesmo problema que acabou com vários contemporâneos seus do grunge – o mais famoso deles foi Kurt Cobain, que se matou como um tiro em 1994. O vocalista do Soundgarden, que no passado esteve “sempre lutando contra a depressão e o isolamento”, tomava o medicamento Ativan, que serve contra a ansiedade e a insônia, mas que, segundo Pasich, pode ter como efeitos secundários “pensamentos paranoicos ou suicidas, balbucio e alteração do julgamento”.

Segundo a agência Reuters, o laboratório Pfizer, fabricante do remédio, não quis fazer comentários a respeito.

Vicky Cornell não mencionou nenhuma anormalidade no comportamento de seu marido nos dias anteriores à sua morte. No domingo, ele viajou de avião para casa a fim e passar o Dia das Mães em família, e na quarta-feira, depois de passar um tempo com os filhos, saiu para Detroit, onde se apresentou pela última vez. Antes do show, falou por telefone com sua mulher sobre seus planos de tirar férias no fim do mês.

“Sua morte é uma perda para a qual não encontro palavras (…). Era o meu melhor amigo”, escreveu ela no comunicado. O advogado disse que a família Cornell permanece à espera dos resultados do exame toxicológico. Muito triste!

Fonte: El País




Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook