Perca Peso Agora

Nova Opção de Tratamento inibe a Progressão Radiográfica da Espondilite Anquilosante e Artrite Psoriásica

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou duas novas indicações de Cosentyx (secuquinumabe), medicamento da Novartis, para o tratamento de pacientes com espondilite anquilosante (EA) e artrite psoriásica (AP). EA e AP são doenças reumatológicas inflamatórias crônicas, que afetam pequenas e grandes articulações e também a coluna vertebral, comprometendo a qualidade de vida e causando dor, deformidades e incapacidade física dos pacientes.

Se não tratada de forma efetiva, ambas podem evoluir para perda irreversível dos movimentos causados pelos anos de inflamação. No Brasil, estima-se que cerca de dois milhões de brasileiros sofram com a EA, enquanto mais de 900 mil pacientes têm artrite psoríasica.

Atualmente, 20 a 40% dos pacientes com EA tratados com terapia anti-TNFα (anti-Fator de Necrose Tumoral) não apresentam resposta satisfatória a este tratamento ou perdem a eficácia ao longo do tempo ou podem ter apresentado eventos adversos a esses agentes e necessitam outros mecanismos de ação.

Cosentyx (secuquinumabe) é primeiro medicamento biológico totalmente humano aprovado no Brasil que inibe a proteína IL-17A9,36, que tem papel chave no processo inflamatório dessas doenças. Em dezembro de 2015, o medicamento já havia sido aprovado para o tratamento de pacientes com psoríase de moderada a grave.

Resultados em espondilite anquilosante

De acordo com os resultados do estudo MEASURE12, em dois anos de uso de secuquinumabe, 80% dos pacientes com EA não apresentaram progressão radiográfica na coluna vertebral em avaliação feitas por radiografia simples de coluna (raio-x).

Além disso, Cosentyx mostrou resposta sustentada nos sinais e sintomas, função e qualidade de vida em pacientes com EA.

Estes resultados são importantes porque cerca de 60-70% dos pacientes com EA podem evoluir para fusão vertebral (anquilose) em 10-15 anos da doença, comprometendo a mobilidade e função.

Inibir a progressão da doença é um alvo fundamental do tratamento, que não era contemplado com as medicações atualmente disponíveis, sobretudo naqueles com maior risco para anquilose óssea e considerando o longo atraso de diagnóstico (8-10 anos, em média)”, explica o reumatologista da Escola Paulista de Medicina, Dr. Marcelo Pinheiro. “Assim, o diagnóstico precoce e o início adequado do tratamento podem minimizar os danos da doença ao longo do tempo

“O que acontece na espondilite é a inflamação das estruturas da coluna vertebral com posterior ossificação das estruturas da coluna, conhecido como anquilose, fazendo com que ela fique rígida e encurvada”, segundo o médico. A inflamação crônica faz com que o paciente sinta dores, tenha restrição de mobilidade, principalmente do quadril, coluna lombar, pescoço, além de rigidez matinal.

Quanto pior o grau da anquilose, mais difícil fica realizar movimentos simples do dia a dia, como dobrar o corpo para frente ou virar o pescoço.

Os homens têm 3 vezes mais chances de desenvolver a EA e de forma mais grave, especialmente entre os 16 e 45 anos, afetando diretamente a qualidade de vida em idade produtiva.

Resultados em Artrite Psoriásica

A artrite psoriásica (AP) é uma doença crônica, inflamatória, que afeta tanto as articulações quanto a pele. É a junção de duas manifestações clínicas: a artrite (dor e inflamação nas articulações) e a psoríase (lesões eritematodescamativas na pele).

Cerca de 30% dos pacientes com psoríase desenvolvem artrite psoriásica e estima-se que uma em cada quatro pessoas com psoríase possam ter a doença não diagnosticada.

Os estudos demonstram que em 2 anos de uso do secuquinumabe não houve progressão radiográfica em 84% dos pacientes com AP, mantendo melhorias nas articulações e da pele, função física e qualidade de vida.

Os sintomas da AP incluem dor e rigidez nas articulações, psoríase na pele e nas unhas, dedos inchados, inchaço doloroso persistente dos tendões e danos irreversíveis nas articulações.

Cerca de 40% das pessoas podem sofrer de destruição articular e deformidade física permanente. Entre 40-50% dos pacientes com artrite psoriásica estão insatisfeitos com o tratamento vigente.

Na maioria das vezes, a psoríase surge antes de se perceber as manifestações nas articulações. Além disso, a doença não está ligada à gravidade das lesões da pele. Por isso, fazer o acompanhamento médico é fundamental”, explica o reumatologista da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP), Dr. Rubens Bonfiglioli.

“Como os danos nas articulações são irreversíveis, é fundamental que o paciente tenha um diagnóstico rápido e um tratamento efetivo que interrompa a progressão da doença”.

Sobre programas de ensaios clínicos para "Cosentyx"

Os estudos pivotais de fase III do programa de ensaios clínicos de Cosentyx, que forneceram os dados para esse material, foram os estudos MEASURE 1 e MEASURE 2 envolvendo 590 pacientes para Espondilite Anquilosante e FUTURE 1 e FUTURE 2 incluindo 1.003 pacientes para Artrite Psoriásica. Os dados desses estudos foram publicados no New England Journal of Medicine e no The Lancet.

Os estudos são multicêntricos, randomizados, controlados com placebo e tiveram como objetivo avaliar a eficácia e segurança do medicamento. O acompanhamento dos pacientes ainda está em andamento e a Novartis continua investigando o papel potencial de Cosentyx na prevenção da progressão de danos estruturais radiográficos da coluna vertebral e articulações em pacientes com EA e AP respectivamente, por meio de raio-x.

Sobre "Cosentyx" e a "Interleucina-17A (IL-17A)"

Cosentyx é um anticorpo monoclonal totalmente humano que neutraliza seletivamente circulantes de IL-17A9. Os estudos sugerem que a IL-17A desempenha um papel importante na condução da resposta imune do corpo no tratamento da psoríase, artrite psoriásica e espondilite anquilosante.

Cosentyx é o primeiro inibidor de IL-17A com resultados positivos em estudos de Fase III para EA, AP e Psoríase, e já está aprovado na Europa e EUA para estas doenças.

Além disso, mais de 50 países também aprovaram Cosentyx para o tratamento da psoríase em placas moderada a grave, incluindo União Europeia, Japão, Suíça, Austrália, EUA e Canadá. Na Europa, o medicamento imunobiológico de primeira linha foi aprovado para o tratamento sistêmico da psoríase em placas moderada a grave em doentes adultos. Nos EUA, Cosentyx também está aprovado como um tratamento para a psoríase em placas moderada a grave em doentes adultos que são candidatos à terapia sistêmica ou fototerapia (fototerapia).

As informações contidas neste texto têm caráter informativo, não devendo ser usadas para incentivar a automedicação ou substituir as orientações médicas. O médico deve sempre ser consultado a fim de prescrever o tratamento adequado.

Fonte: [email protected]



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook