Perca Peso Agora

"Jet lag": estudo sugere que Viajantes Frequentes têm maior risco de desenvolver Câncer de Fígado

Atenção você que faz viagens de longa distância frequentemente: uma nova pesquisa divulgada recentemente na Revista Cancer Cell aponta que o "jet lag" pode elevar o risco de desenvolver câncer de fígado a níveis próximos ao risco que existe em obesos.

O estudo descobriu que o "jet lag" pode interromper os ritmos metabólicos do fígado levando a acúmulos de gordura e ácidos biliares, fatores conhecidos por aumentar o risco de câncer.

Cientistas da Faculdade Baylor de Medicina, em Houston, nos Estados Unidos, acreditam que, além da obesidade, o "jet lag" pode ser uma das principais razões para a explosão de casos de câncer de fígado em todo o mundo – o número de pessoas com carcinoma hepatocelular, o tipo mais comum da doença, triplicou nos últimos 30 anos.

Quando viajamos em mudanças de fuso, o cérebro é exposto à luz em horários que, pelo nosso ciclo biológico, deveria estar entrando em “stand-by”. Mas, ao invés disso, ele entende como se fosse um novo dia, reseta o ciclo arcadiano e altera nossas funções vitais – à noite, com pouca luz, o contrário acontece.

Consequentemente, o "jet lag" modifica o ritmo de funcionamento do fígado, o que aumenta os níveis de ácido biliar criando acúmulos perigosos de gordura – semelhantes aos de pessoas obesas. Ambos são fatores conhecidos por impulsionares as chances de uma pessoa desenvolver câncer.

Para chegar a essa relação “muitas horas de voo” versus “câncer de fígado”, os pesquisadores usaram luzes para simular diferentes fusos horários e, literalmente, fizeram alguns ratos trocar o dia pela noite para confundir o relógio biológico deles.

Apesar dos ratinhos terem sido alimentados com uma dieta saudável, eles ganharam peso e tiveram maior propensão a desenvolver doenças relacionadas à gordura no fígado se comparado aos animais com padrões de sono normais.

Em alguns casos, o quadro dos ratos que tiveram problemas de gordura hepática evoluiu para câncer de fígado. Os roedores perdidos no tempo também perderam o controle do metabolismo e produziram mais ácidos biliares.

Os cientistas responsáveis por essa descoberta também estão pesquisando os impactos de outras mudanças de comportamento a que submetemos nosso organismo. Seja por "jet lag", dormir pouco ou trocar o dia pela noite, os cientistas querem saber como o corpo reage quando alteramos nosso relógio biológico e como podemos ajudá-lo a diminuir esses impactos.

Fonte: Super Interessante



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook