Perca Peso Agora

Estudantes Criam Camisinha Que Muda de Cor ao Detectar Doença Sexualmente Transmissível

Estudantes do ensino médio, no Reino Unido, criaram um preservativo que muda de cor quando entra em contato com os patógenos que causam doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como clamídia ou herpes.

O preservativo, que eles estão chamando de STEYE, teria moléculas presentes na borracha que prendem bactérias e vírus específicos. Estas moléculas, então, fazem com que o preservativo tenha uma fluorescência em diferentes cores, com pouca luz, dependendo dos agentes presentes.

"Nós queríamos fazer algo que facilitasse a detecção de DSTs, de modo que as pessoas possam tomar medidas imediatas, sem os procedimentos invasivos dos médicos", disse Daanyaal Ali, de 14 anos, um dos inventores, à imprensa.

Embora ainda esteja em fase conceitual, a equipe explicou que o STEYE poderia ficar verde para clamídia, amarelo para herpes, roxo para HPV ou azul para a sífilis.

A equipe, que também contava com os alunos Muaz Nawaz, de 13 anos, e Chirag Shah, de 14, ganhou o prêmio de melhor inovação tecnológica criada por adolescentes, na área da saúde. Eles esperam ajudar a tornar o sexo mais seguro, no futuro.

A equipe receberá sua premiação no Palácio de Buckingham, na Inglaterra, no final do ano, e também será premiada com um prêmio em dinheiro, por conta da invenção.

O objetivo da premiação é “encorajar os estudantes a levarem suas ideias para fora da sala de aula, colocando-os de frente com os profissionais do setor, ajudando a abrir os olhos para o verdadeiro potencial de suas ideias”, de acordo com a idealizadora da premiação, Maggie Philbin.

Fonte: Jornal Ciência



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook