Perca Peso Agora

Esqueça o Sabonete Tradicional! Limpe-se com Spray e Sabonete de Bactérias

Temos uma ideia muito negativa das bactérias, mas a verdade é que elas nem sempre nos fazem mal, muito pelo contrário, a maioria delas é essencial para nossa saúde, como a nossa microbiota intestinal, que pode até nos ajudar a emagrecer.

Alguns novos produtos querem mudar esse nosso quadro de exterminação total, como o tônico bacteriano para a pele AO+, desenvolvidos pela empresa AOBiome (de Massachusetts, EUA). O spray, que parece água, contém bilhões de Nitrosomonas eutropha cultivadas, uma bactéria oxidante de amônia, encontrada frequentemente no solo e água não tratados.

Os cientistas da AOBiome queriam testar a hipótese de que essas bactérias já viveram na nossa pele antes de começarmos a lavá-las com sabonete e xampu, e de que tinham um papel desodorante, limpador, anti-inflamatório e imunológico para nós, alimentando-se da amônia no nosso suor e convertendo-a em nitrito e óxido nítrico.

O teste

A jornalista Julia Scott foi a cobaia que testou o produto, espirrando o spray no rosto, couro cabeludo e corpo 2 vezes por dia.

Spiros Jamas, o executivo-chefe da AOBiome, informou a Julia de que, como as bactérias estavam vivas, era preciso manter o produto em ambiente refrigerado. Julia foi ao laboratório da empresa toda semana para que os pesquisadores coletassem e analisassem amostras de sua pele a fim de detectar mudanças na sua comunidade microbiana invisível.

Embora o AO+ não seja comercializado como alternativo a outros produtos de limpeza convencionais, ele de fato diminui a necessidade de sabonetes, hidratantes e desodorantes depois de um mês de uso.

Spiros Jamas, o executivo-chefe da AOBiome e doutor em biotecnologia, usa o spray em sua higiene diária há anos, e recorre ao sabonete apenas 2 vezes por semana.

David Whitlock, o engenheiro químico do MIT que inventou AO+, não toma banho há 12 anos (ele pensou pela primeira vez no produto em 2001, quando notou que cavalos gostavam de rolar na lama, e que isso tinha um motivo); apenas usa a colônia de bactérias para se limpar. O mais surpreendente é que eles não parecem sujos – nem no sentido visual, nem no olfativo.

    Whitlock sabia que havia uma classe de bactérias que derivam sua energia a partir de amônia e não de carbono, e ficou convencido de que os cavalos (e possivelmente outros mamíferos que gostam de um banho de lama) ficavam cobertos delas. Sabendo que os cavalos só poderiam evoluir esse comportamento se ele tivesse benefícios substanciais, Whitlock reuniu amostras, as analisou e descobriu a bactéria oxidante de amônia N. eutropha, testando sua teoria em seu próprio corpo. Assim, nasceu AO+.

Para ver o que a colônia de bactérias poderia fazer em pouco tempo, Julia abriu mão de todos os sabonetes, xampus e desodorantes que usava, e ficou só com o AO+. Na segunda semana, sua paisagem bacteriana geral ainda era consistente com a maioria dos norte-americanos, tendo principalmente bactérias dos gêneros Propionibacterium, Corynebacterium e Staphylococcus. No entanto, os resultados também mostraram centenas de cepas de bactérias desconhecidas que ainda não tinham sido classificadas.

Nesse ponto, ela já estava começando a se arrepender de ter abandonado sabonete e xampu. Mal saía de casa, seu cabelo ficou mais escuro e oleoso, e tinha vergonha de desgrudar as axilas do seu corpo, pois detectava um odor vindo delas.

“Quando fui a academia, segui as instruções da AOBiome, usando o spray antes de sair de casa e de novo quando cheguei em casa. Os resultados: depois de deixar o AO+ secar na minha pele, eu cheirava melhor. Não totalmente sem cheiro, mas não tão ruim quanto eu ficaria normalmente. E, estranhamente, os meus pés não tinham nenhum cheiro”, conta Julia.

Logo, sua pele começou a mudar para melhor. Ficou mais macia e suave, e seus poros pareceram encolher. Ao final do estudo, Julia não queria voltar aos seus produtos de limpeza e cosméticos tradicionais, especialmente porque a maioria deles mata essa bactéria que tinha começado a viver em seu organismo.

A AOBiome está criando uma lista de produtos de limpeza “seguros” para a bactéria. Julia adotou, por enquanto, apenas um sabonete básico e um shampoo sem perfume – e mesmo assim quase expulsou todas as N. eutropha que deu duro para conquistar.

Futuro promissor

A Dra. Elizabeth Grice, professora de dermatologia na Universidade da Pensilvânia (EUA), que estuda o papel da microbiota na cicatrização de feridas e doenças inflamatórias da pele, disse que produtos como o da AOBiome poderiam um dia não só revolucionar tratamentos para acne, mas também nos ajudar a diagnosticar e curar doenças, lesões graves e muito mais.

“Aqueles com feridas que não respondem a antibióticos poderiam receber um coquetel probiótico adaptado para combater a cepa específica da bactéria infectante. O odor corporal pode ser alterado para repelir insetos e, assim, combater a malária e a dengue. E eczema e outras doenças inflamatórias crônicas poderiam ser amenizadas”, explica a Dra. Elizabeth.

Segundo a AOBiome, testes de laboratório mostram que seu produto ativa nitrito acidificado o suficiente para diminuir *Staphylococcus aureus, bactéria frequentemente acusada de causar acne. Além disso, ratos diabéticos com feridas cutâneas se curaram mais rapidamente após duas semanas de tratamento com uma fórmula do spray.

Em breve, a AOBiome vai pedir aprovação a autoridades americanas para testar formas mais concentradas de bactérias para tratar úlceras diabéticas e outras condições dermatológicas.

Fonte: Hypescience



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook