Perca Peso Agora

Doença de Edson Celulari deve atingir 10 mil brasileiros em 2016. E o Agrotóxico pode ser uma das causas!

Nesta semana, o ator Edson Celulari, 58, anunciou estar com um tipo de câncer do sangue considerado raro, o linfoma não Hodgkin. A doença tem ganhado mais notoriedade, não só por ter acometido pessoas públicas – como o ator Reynaldo Gianecchini e a presidente afastada Dilma Rousseff –, mas também pelo salto no número de casos nas últimas décadas, sendo o câncer que mais cresceu no mundo.

Uma das hipóteses para esse crescimento é o uso de agrotóxicos.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o número de casos de linfoma não Hodgkin praticamente dobrou nos últimos 25 anos. A estimativa para este ano é de 10.240 registros da doença – 5.210 em homens e 5.030 em mulheres.

Entretanto, as causas do aumento ainda são desconhecidas. “O linfoma é uma doença ‘democrática’. Ela atinge igualmente homens e mulheres de todas as idades. Mas atinge principalmente os mais velhos. A população acima dos 60 anos está aumentando no mundo, e esse é um dos componentes do aumento da doença”, explica o hematologista Carlos Chiattone, que é um dos diretores da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) e coordenador do núcleo de linfomas do Hospital Samaritano de São Paulo.

Porém, o envelhecimento da população explica somente uma parte do crescimento do número de linfomas, o que faz os cientistas acreditarem que há alguma causa ambiental relacionada.

“Uma das hipóteses é que os agrotóxicos sejam a causa. Ainda não é possível afirmar porque esses estudos demandam acompanhar as populações por longos períodos, mas é uma possibilidade”, aponta Chiattone.

Chances

Se por um lado os casos de linfomas estão aumentando, por outro o prognóstico de cura é animador. “Se o tumor for mais agressivo, as chances de cura são em torno de 60% a 70%. Se o diagnóstico for feito em estágio inicial, sobe para 90%. Até os tumores indolentes, que são incuráveis, são bem possíveis de ser controlados”, comenta o patologista Fernando Soares, diretor do departamento de anatomia patológica do hospital AC Camargo Cancer e membro da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP).

Os linfomas são o campo da medicina em que as imunoterapias (tratamentos que vão diretamente nas células cancerígenas) estão mais desenvolvidas, aumentando ainda mais as chances do paciente.

Sintomas

Nem sempre o linfoma aparece acompanhado de sintomas, mas quando há manifestação clínica, os sinais mais comuns são febre, sudorese intensa, perda de peso e de apetite e aparecimento de linfonodos aumentados no corpo, também conhecidos como ínguas.

"Quando essas ínguas surgem em regiões como pescoço ou axilas, as pessoas costumam notar mais rapidamente, mas, dependendo de onde a doença estiver localizada, as ínguas só vão ser notáveis quando a doença estiver mais avançada", diz o especialista.

Scheinberg explica que não há fatores de risco bem definidos para o aparecimento do linfoma. "Em alguns casos, ele pode estar associado a condições em que o sistema imune está comprometido, como em situações de pós-transplante. Há também casos de infecções associadas ao linfoma, mas na maioria dos casos, a causa não está bem definida", diz.

O especialista diz que, por mais que o linfoma possa surgir em uma área específica do organismo, a doença deve ser tratada de forma mais abrangente, porque o sistema linfático está presente em todo o corpo e, portanto, as células tumorais também podem estar espalhadas.

Por isso, não é possível combater esse tipo de câncer com uma cirurgia, por exemplo. "O tratamento mais indicado inclui quimioterapia e, em alguns casos, radioterapia", diz o especialista. Em casos muito específicos, o tratamento complementar é feito com um autotransplante de medula óssea. O procedimento foi adotado no caso de Reynaldo Gianecchini.

Fonte: O Tempo



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook