Cientistas conseguem Reverter Sintomas da Depressão com Iogurte

Cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Virgínia, nos EUA, fizeram uma descoberta animadora e promissora para pessoas que sofrem de depressão. Eles conseguiram reverter os sintomas da doença em ratos usando iogurte. A informação foi divulgada este mês pela revista especializada Nature.

Os pesquisadores alimentaram ratinhos com uma bactéria probiótica encontrada em iogurtes de cultura viva, os chamados Lactobacillus, que são popularmente conhecidos por ajudar o intestino e melhorar a imunidade.

Estudando os camundongos, antes e depois de serem submetidos ao estresse, a equipe descobriu que as bactérias intestinais desempenham um papel importante na depressão.

Fim do mau humor

Depois que alimentaram as cobaias com as bactérias Lactobacillus o humor normal retornou. Já quando a alimentação foi retirada, os sintomas da depressão voltaram.

Eles descobriram que a quantidade de Lactobacillus no intestino afeta o nível de kynurenine no sangue, que causa sinais de depressão.

O pesquisador Alban Gaultier disse ao UVA Today que suas descobertas podem significar que os pacientes não terão que “se preocupar com drogas complexas e efeitos colaterais”, e que eles podem simplesmente “brincar com o microbioma”, que é a bactéria do intestino.

“Seria mágico apenas mudar sua dieta, mudar as bactérias que você toma, e reparar sua saúde – do seu jeito”.

Gaultier agora planeja testar sua descoberta em seres humanos.

Alimentos com Lactobacilos

Lactobacilos vivos são encontrados em diversos tipos de alimentos fermentados como:

  • Iogurtes do tipo Grego e Actvia
  • Leite fermentado, do tipo Yakult e Chamyto

    Kefir
  • Certos tipos de queijo

O leite cru tambem tem lactobacilos, porém quando pasteurizado, esses microrganismos morrem. Os lactobacilos são os responsaveis pelo azedamento do leite.

Veja a explicação do professor:

Fonte: Só Notícia Boa




Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook