Perca Peso Agora

Artrose no Joelho: Retorno ao Esporte Após Cirurgia de Correção é Possível?

Com o envelhecimento da população mundial, doenças degenerativas, como a artrose do joelho, têm se tornado cada vez mais comuns. Muitos fatores estão relacionados ao seu aparecimento e desenvolvimento: envelhecimento, excesso de peso ou de trabalho na articulação acometida, exercícios que exijam impacto repetitivos sobre a articulação (como saltos), história familiar e tabagismo.

Mulheres atletas têm aproximadamente o dobro de propensão em comparação com os homens. Tratando-se de mulheres negras, elas têm o dobro de propensão à artrose no joelho em comparação com mulheres brancas.

Há evidências de artrose na maioria das pessoas acima dos 65 anos. Mais de 80% daqueles acima dos 75 anos são acometidos pela artrose, ou seja, a prevalência aumenta com a idade.

Há uma ampla variedade de tratamentos para a doença. O ideal é qualquer procedimento em que a articulação seja preservada. As opções são:

  • fisioterapia com ênfase no fortalecimento muscular,
  • infiltrações articulares com ácido hialurônico,
  • artroscopia,
  • e a prótese total de joelho como último recurso.

Existem casos em que a cirurgia de osteotomia tibial pode ser uma saída eficaz. Como no caso de um paciente jovem que deseje manter a prática esportiva e sofra de artrose isolada do compartimento medial (de dentro do joelho) associada à deformidade em varo do joelho (“joelho de cowboy”). Se os tratamentos tradicionais forem ineficazes, sem dúvidas, a operação é uma opção válida.

Afinal, o que é o Geno Varo (Genum Varum)?

O geno varo é uma deformidade resultante de diminuição do espaço articular medial (de dentro), desviando medialmente (para dentro) o eixo mecânico do membro inferior.

A tensão anormal sobre o compartimento de dentro da articulação resulta em perda progressiva de cartilagem e osso, que por sua vez aumenta a deformidade.

A artrose do joelho com deformidade em varo é uma condição comum em pessoa entre 45 e 74 anos de idade.

A cirurgia de correção é indicada a pessoas com deformidade em varo associada a:

  • instabilidade crônica do joelho;
  • lesões cartilaginosas focais ou osteocondrais na parte de dentro do joelho (onde se recebe maior parte do peso), quando existe indicação de proce- dimentos para reparação da cartilagem do tipo mosaicoplastia ou implante de condrócitos;
  • lesão do ligamento cruzado anterior crônica;
  • lesão meniscal com ou sem indicação de transplante de menisco.

As contra-indicações incluem:

  • idade avançada (acima de 60 anos);
  • artrose sintomática em outro compartimento além do medial;
  • lesão do menisco lateral com indicação cirúrgica;
  • infecção articular prévia;
  • artrite reumatoide e outras artrites inflamatórias;
  • deformidade acentuada (acima de 20 graus);
  • rigidez articular (extensão menor que 10 graus ou flexão menor que 90 graus);
  • doenças como obesidade mórbida, diabetes, tabagismo e alcoolismo.

O sucesso da osteotomia depende de três fatores:

  • seleção adequada do paciente,
  • planejamento meticuloso,
  • técnica cirúrgica correta

Geralmente, calcula-se uma hipercorreção a fim de evitar recidiva da deformidade em varo.

Período pós-operatório:

Em geral, o paciente deve utilizar muletas por pelo menos 6 semanas, sendo retiradas de maneira progressiva à medida que a dor desaparece. A capacidade de andar com carga total, sem o auxílio de muletas, é a melhor indicação da consolidação da osteotomia, que geralmente ocorre totalmente após oito a doze semanas.

É possível retornar aos esportes?

Estudos recentes têm indicado que o retorno aos esportes é possível. No entanto, todos os autores são unanimes em dizer que é muito gradual e algum desconforto ou dor pode persistir, comprometendo a performance.

Geralmente os fatores responsáveis pelo retorno ao esporte incluem:

  • fisioterapia de excelência pré e pós-operatória;
  • fortalecimento e reequilíbrio muscular;
  • ganho sensório-motor adequado (pliometria);
  • utilização de recursos biológicos associados como a infiltração com ácido hialurônico.

Referências: 1. Hernigou P, Medevill D, Debeyre J, et al.“Proximal tibial osteotomy with varus deformity: a ten to thirteen year follow-up study”. J Bone Joint Surg (Am). 1987;69:332-40.
2. Staubli AE, Simoni CD, Babst R, Lobenhoffer P. “TomoFix: a new LCP-concept for open wedge osteotomy of the medial proximal tíbia – early results in 92 cases”. Injury. 2003;34:SB55-SB62.
3. Zorzi AR, da Silva HG, Muszkat C, Marques LC, Cliquet A Jr, de Miranda JB.”Opening-wedge high tibial osteotomy with and without bone grafts”. Artif Organs. 2011;35(3):301-7.
4. Giannoudis PV, Einhorn TA, Marsh D. “Fracture healing: the diamond concept”. Injury. 2007; 38S4:S3-S6.
5. Amendola A, Panarella L. “High tibial osteotomy for the treatment of unicompartimental arthritis of the knee”. Orthop. Clin. N. Am. 2005;36:497-504.
6. Dudgale WT, Noyes FR, Styer D. “Preoperative Planing for High Tibial Osteotomy”.Clin. Orthop. Relat. Res.1992;274:248-64.
7. Noyes FR, Goebel SX, West J. “Opening Wedge Tibial Osteotomy. The 3-Tringle Method to Correct Axial Alignment and Tibial Slope”. Am J Sport Med. 2005;33(3):378-87.
8. Franco V, Cerullo G, Cipolla M, Gianni E, Puddu G. “Osteotomy for osteoarthritis of the knee”. Current Orthop. 2005;19:415-27.
9. Joslin CC, Waring SE, Hardy JR, Cunnningham JL. “Weight bearing after tibial fracture as a guide to healing”. J Bone Joint Surg. 2003; 85-B SuppI/5.

Fonte: Globo Esporte



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook