Perca Peso Agora

Abaixo a Ditadura dos Índices! É tão Necessário Assim Manter Níveis de Glicose, Colesterol e Pressão tão Baixos?

Laboratório farmacêutico: os fabricantes de remédios são os grandes beneficiados com a rigidez dos controles, já que não dá para manter-se dentro dos limites estreitos sem o auxílio de estatinas, anti-hipertensivos, e por aí vai.

Embora tenham sido demonizados, o colesterol e a glicose são imprescindíveis para o bom funcionamento do organismo. Quando se diminuem dramaticamente esses componentes, o resultado é um desequilíbrio perigoso.

A glicose obtida pelo sistema digestivo a partir da metabolização dos carboidratos é o principal combustível das células.O colesterol, por sua vez, é um tipo de gordura de grande utilidade. Serve para sintetizar hormônios, produzir vitamina D e formar membranas celulares.

Algumas pesquisas sugerem que níveis muito baixos de colesterol implicam um aumento no risco de aparecimento de tumores malignos.

Uma delas foi publicada na revista médica "Journal of the American College of Cardiology". A falta de colesterol também está associada com quadros de depressão e ansiedade, porque causa diminuição dos níveis de serotonina, substância cerebral associada à sensação de bem-estar.

Até mesmo baixar demais a pressão arterial pode ser ruim. “Ainda não há consenso sobre até que ponto é seguro reduzi-la”, diz o médico Décio Mion, chefe do departamento de hipertensão do Hospital das Clínicas, de São Paulo.

A análise de gráficos mostra que, a partir de patamares abaixo de 12 por 8, ocorre uma curva em J. Ou seja, a incidência de mortalidade entre cardiopatas volta a aumentar. As mortes se dão principalmente nos grupos cuja pressão diastólica, a mais baixa, situa-se em índices inferiores a 6,5. A suposição é que, ao se reduzir a pressão diastólica, diminui-se também a pressão no bombeamento de sangue às coronárias, o que pode causar isquemia.

Atualmente, milhões de pessoas, ao redor do mundo, entopem-se de medicamentos para controlar a pressão, o colesterol e a glicemia. Só as estatinas são consumidas regularmente por mais de 25 milhões de pacientes, dos quais cerca de 500 mil estão no Brasil. Como se chegou a essa perseguição incansável de índices reduzidos de todos esses fatores?

Tudo começou no fim da década de 70 quando pesquisadores decidiram investigar populações longevas, com pouca incidência de doenças cardíacas. O que, afinal de contas, chineses, esquimós, japoneses e pigmeus africanos tinham em comum?

A resposta não demorou a vir: valores de colesterol, pressão e glicemia abaixo dos habitualmente encontrados entre os ocidentais. Nessas populações, a pressão média era menor do que 12 por 8, o colesterol total ficava em torno de 130 e a glicemia não passava de 100. Foi com base nesses dados que os médicos estabeleceram que o correto era investir na redução drástica dos parâmetros.

Decorridos 30 anos de controle férreo, o que se sabe é que a maioria das vítimas fatais de infartos ou derrames apresentava taxas relativamente normais de colesterol. Esse é um argumento e tanto para os que defendem a revisão dos critérios vigentes. Os cardiologistas também discutem se não se está exagerando na indicação de medicamentos.

Nos Estados Unidos, onde se faz propaganda de remédio como de refrigerante, um comercial recente trazia o inventor do coração artificial, o cardiologista Robert Jarvik, à beira de um lago enquanto fazia o elogio do Lipitor, a estatina mais vendida nos cinco continentes. Segundo o comercial, com o remédio é possível reduzir em 36% os infartos em pacientes de alto risco para doenças cardiovasculares. Analisado com lupa, porém, esse número não quer dizer grande coisa.

Os estudos que compararam a eficácia do Lipitor em relação a placebos mostram que a taxa de mortalidade por infarto no grupo dos que tomaram o medicamento foi de 2%, contra a de 3% entre os que receberam pílulas de farinha.

A polêmica sobre até que ponto vale a pena diminuir os índices de colesterol, glicemia e pressão arterial é mais uma prova de que a medicina é uma ciência de verdades transitórias.

Todos esses componentes devem ser levados em conta , repita-se. Entretanto, como se vê agora, o melhor não é seguir baixando-os.

Em se tratando de doenças cardiovasculares, os fatores de risco são múltiplos e entrelaçados. Um paciente nunca é igual ao outro, ainda que aparentemente tenham riscos cardiovasculares muito semelhantes.

“O tratamento tem de ser individual. A rigidez das metas depende exclusivamente do histórico de cada paciente”, diz o cardiologista Otávio Rizzi Coelho, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Também na cardiologia, o rumo é o da individualização do tratamento. A boa notícia é que, para a maioria das pessoas, essa customização, para usar um termo em voga, representa um afrouxamento dos controles, uma diminuição da neurose em relação à leitura dos exames de check-up e um aumento do índice geral de satisfação e saúde.

Fonte: Saiba você também



Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook