5 Alimentos que NUNCA devem ser Comprados no Supermercado

Com alguns supermercados abertos 24 horas, é muito tentador passear pelos corredores e encher a cesta de compras com produtos que facilitam nossa vida. Ou assim pensamos, porque, se pedirmos a opinião de nutricionistas sobre esses produtos, vemos que suas versões caseiras não são tão complicadas de preparar e não são comparáveis em valor nutricional, qualidade ou sabor.

Confira os 5 alimentos que você deveria eliminar de sua lista de compras.

1. Bandeja de carne moída

Não se deixe enganar por essas bandejas plastificadas com um uniforme tom rosado, nas quais o produto está distribuído com um cuidado quase milimétrico.

“Em um supermercado, você não vai encontrar carne moída, e sim algo parecido, chamado de "burguer meat", que não é apenas carne, mas contém uma série de aditivos”, explica Juan Revenga, biólogo, nutricionista e autor de vários livros sobre alimentação.

E, embora assinale que os aditivos não são necessariamente ruins, é muito melhor pedir ao açougueiro que ele mesmo triture a carne que escolhemos, para não ter dúvidas sobre o que exatamente estamos comprando.

Revenga aconselha: “O que precisamos fazer é cozinhá-la imediatamente, já que é um alimento altamente perecível”. Segundo ele, no máximo em 48 horas.

2. Molho de tomate

É bem provável que sua memória sensorial guarde a lembrança do sabor inigualável do molho de tomate caseiro feito por sua avó ou por sua mãe. E, no entanto, é uma prática que está sendo perdida, banida pelos "tetrabrick" exibidos de forma tentadora nos supermercados. Mas, como diria sua avó, o barato pode sair caro.

“O comercial tem cerca de duas vezes mais calorias e gordura (o caseiro tem 1,5 grama, enquanto o industrial, 3,5 gramas). Mas o destaque é o açúcar (o molho caseiro tem 2,3 gramas em comparação com 7,5 gramas do produto vendido no supermercado) e a quantidade de sal (165 mg de sódio do caseiro comparado a 1.200 mg do molho em lata)”, indica a dietista-nutricionista Silvia Romero, que recomenda prepará-lo com tomates maduros, usar apenas azeite de oliva e optar por sal sem sódio caso a pessoa tenha hipertensão.

3. Pipoca de micro-ondas

Compramos pipoca para fazer no micro-ondas que custam cerca de 3,00 reais o pacote, mas claro que as que fazemos em casa são mais saudáveis.

“A diferença nutricional de qualquer produto sempre dependerá da qualidade dos ingredientes”, afirma Joan Carles Montero, nutricionista e membro da ONG AlimentAcción. Nesse caso, não só controlamos o milho, mas também o tipo de óleo usado e a quantidade de sal que queremos usar, aromatizantes (tais como soro de leite), intensificadores de sabor, corantes, emulsionantes e antioxidantes.

Em casa, é mais comum que usemos azeite de oliva, enquanto que indústrias costumam usar óleo de girassol e óleo de palma para economizar custos. Nesse sentido, é melhor evitar o açúcar ou a manteiga, caso contrário a pipoca deixa de ser saudável.

E é importante considerar o aviso de Montero: “É um ótimo aperitivo, embora devemos ter em mente que o milho é rico em energia (393 calorias por 100 gramas, o equivalente a quatro copos de cerveja)”.

4. Molhos prontos

Proliferam cada vez mais nas prateleiras dos supermercados e vão muito além do ketchup clássico e da maionese: carbonara, bolonhesa, pesto, quatro queijos, asiático, apimentados etc. No entanto, o principal problema é a falta de detalhes de sua composição.

“Você não sabe que tipo de óleo é utilizado, e, do ponto de vista nutricional, e também por questões de preço, tendem a não usar ingredientes que escolheríamos para fazer esse molho em casa”, diz Revenga.

No entanto, há um ingrediente que raramente falta em um molho industrial: o açúcar. “Todos contêm açúcar, incluindo naqueles que, se preparássemos em casa, jamais acrescentaríamos”, diz o nutricionista. Por exemplo, o molho de pesto padrão vendido em supermercados tem cerca de 3 gramas de açúcar (em potes de 150 gramas). Também contém 43% de óleo de girassol, 20% de manjericão, 16% de queijo ralado (sem especificar o tipo), 12% de azeite de oliva (embora no recipiente se destaque em letras grandes), proteínas de leite, amido de batata, sal, alho, pinhões e vários tipos de conservantes. E calorias? A versão industrial, cerca de 565; a caseira, depende da quantidade e tipo de óleo, queijo e frutos secos.

5. Batatas congeladas para fritura

As que compramos congeladas absorvem muito mais óleo na fritura, porque costumam ser mais finas, e isso aumenta a quantidade de gordura e calorias (cerca de 500 por 100 gramas de tubérculo). Em casa, além disso, também podemos prepará-las assadas, com muito menos óleo e, portanto, menos gordura e menos calorias (cerca de 200 por 100 gramas de batata)”, explica Silvia Romero. “As batatas anunciadas com óleo vegetal costumam ter gordura de palma, embora fosse mais recomendável usar azeite de oliva”, diz Romero.

Compartilhe essas informações com os seus amigos. Sempre que possível evite alimentos industrializados. Sua saúde agradece!

Fonte: El País




Receba Dicas de Saúde Grátis

Tenha uma vida mais saudável com nossas melhores dicas e novidades.

Compartilhar no Facebook